Web Statistics
Falhas no sistema da Receita Federal e o cerceamento do direito de defesa – Por Rogerio Zanetta e Celso Ferreira da Cruz | Gazeta de Rondônia
Página Inicial / Brasil / Falhas no sistema da Receita Federal e o cerceamento do direito de defesa – Por Rogerio Zanetta e Celso Ferreira da Cruz

Falhas no sistema da Receita Federal e o cerceamento do direito de defesa – Por Rogerio Zanetta e Celso Ferreira da Cruz

Painel Político – Notícias no Whatsapp sobre política, economia, artigos, jurídico, cultura e viagens.

Juiz não deve ter medo de decidir nem receio daquilo que decidiu - Por Guilherme Carvalho e Sousa

Conforme dispõe o artigo 2º, parágrafo1º, da Instrução Normativa 1.412/2013, todas as pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado são obrigadas a acessar o sistema eCAC para fazer o protocolo de peças e documentos nos processos administrativos digitais que tramitam perante a Receita Federal.

No entanto, ao acessar o sistema eCAC para cumprimento de prazos processuais, os contribuintes podem se deparar com a sua indisponibilidade técnica, fato este que os impede, ainda que momentaneamente, de praticar tal ato. Nessa situação, não se pode admitir o cerceamento do seu direito de defesa.

A Lei 9.784, de 29 de janeiro de 1999, que regula o processo administrativo federal, traz no artigo 2º os princípios básicos que devem ser observados, entre os quais podem ser citados: (i) a adequação de meios e fins e a vedação à imposição de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao atendimento do interesse público (inciso VI); (ii) a adoção de formas simples e suficientes para propiciar adequado grau de certeza, segurança e respeito aos direitos dos administrados (inciso IX); e (iii) a garantia dos direitos à comunicação (inciso X). Vejamos:

“Art. 2º A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.

Parágrafo único. Nos processos administrativos serão observados, entre outros, os critérios de:

I – atuação conforme a lei e o Direito;

II – atendimento a fins de interesse geral, vedada a renúncia total ou parcial de poderes ou competências, salvo autorização em lei;

III – objetividade no atendimento do interesse público, vedada a promoção pessoal de agentes ou autoridades;

IV – atuação segundo padrões éticos de probidade, decoro e boa-fé;

V – divulgação oficial dos atos administrativos, ressalvadas as hipóteses de sigilo previstas na Constituição;

VI – adequação entre meios e fins, vedada a imposição de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao atendimento do interesse público;

VII – indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a decisão;

VIII – observância das formalidades essenciais à garantia dos direitos dos administrados;

IX – adoção de formas simples, suficientes para propiciar adequado grau de certeza, segurança e respeito aos direitos dos administrados;

X – garantia dos direitos à comunicação, à apresentação de alegações finais, à produção de provas e à interposição de recursos, nos processos de que possam resultar sanções e nas situações de litígio;

XI – proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas em lei;

XII – impulsão, de ofício, do processo administrativo, sem prejuízo da atuação dos interessados;

XIII – interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de nova interpretação”.

A própria Receita Federal, em sua página eletrônica, informa que o sistema eletrônico deve atuar de modo a evitar a desburocratização de procedimentos para o contribuinte, objetivando a aproximação do órgão por meio da internet com toda a sociedade, conforme se verifica da nota publicada pela Assessoria de Comunicação reproduzida abaixo:

“A eliminação do papel traz a possibilidade de se adotar procedimentos muito mais eficientes e eficazes para a execução dos atos processuais, com redução significativa nos custos administrativos, aumento da produtividade mediante a redução e a eliminação de atividades acessórias, desburocratização de procedimentos para o contribuinte, redução do tempo no trâmite processual, valorização do servidor pela facilidade no manuseio do processo, além de se trabalhar em um ambiente limpo e agradável, sem as pilhas de processos empoeirados, e com maior aproximação do órgão com toda a sociedade por meio da comunicação bilateral via internet, com garantia do sigilo fiscal. (…)

A disponibilização deste novo serviço no Portal e-CAC, para auto-atendimento do contribuinte, reforça o compromisso da RFB com os princípios constitucionais da administração pública tais como transparência, publicidade e rastreabilidade do ato público, eficiência na otimização de recursos financeiros e desburocratização”1.

Note-se que o objetivo do sistema eletrônico é justamente facilitar o acesso dos contribuintes aos processos e diminuir a burocracia para o envio ou recebimento de documentos e arquivos digitais.

Com isso, é possível concluir que as medidas criadas pela administração que dificultem o acesso aos contribuintes se encontram em desacordo com o intuito da criação da plataforma digital.

Quando houver a inoperância do sistema eletrônico dos órgãos públicos, o Código de Processo Civil, aprovado pela Lei 13.105/2015, determina em seus artigos 223 e 224 que o vencimento do prazo processual será prorrogado para o primeiro dia útil seguinte (parágrafo 1º do artigo 224 do CPC). Nesse sentido, vale transcrever os artigos 223 e 224 do CPC:

“Art. 223. Decorrido o prazo, extingue-se o direito de praticar ou de emendar o ato processual, independentemente de declaração judicial, ficando assegurado, porém, à parte provar que não o realizou por justa causa.

§ 1º Considera-se justa causa o evento alheio à vontade da parte e que a impediu de praticar o ato por si ou por mandatário.

§ 2º Verificada a justa causa, o juiz permitirá à parte a prática do ato no prazo que lhe assinar.

Art. 224. Salvo disposição em contrário, os prazos serão contados excluindo o dia do começo e incluindo o dia do vencimento.

§ 1º Os dias do começo e do vencimento do prazo serão protraídos para o primeiro dia útil seguinte, se coincidirem com dia em que o expediente forense for encerrado antes ou iniciado depois da hora normal ou houver indisponibilidade da comunicação eletrônica”.

Como se vê, o Código de Processo Civil, o qual deve ser aplicado subsidiariamente aos processos administrativos2, estabelece que o prazo processual deve ser prorrogado na hipótese de indisponibilidade do sistema eletrônico que impeça a comunicação do contribuinte com a Receita Federal e a consequente transmissão do protocolo por meio eletrônico.

Cumpre destacar ainda a edição do Decreto 8.539/2015, que dispõe sobre o uso do meio eletrônico para a realização do processo administrativo no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, o qual, em seu artigo 7º, parágrafo 2º, determina que, se o sistema informatizado de gestão de processo administrativo eletrônico do órgão ou entidade se tornar indisponível por motivo técnico, o prazo fica automaticamente prorrogado até as 23h59 do primeiro dia útil seguinte ao da resolução do problema. Veja-se o teor deste dispositivo legal:

“Art. 7º Os atos processuais em meio eletrônico consideram-se realizados no dia e na hora do recebimento pelo sistema informatizado de gestão de processo administrativo eletrônico do órgão ou da entidade, o qual deverá fornecer recibo eletrônico de protocolo que os identifique.

§ 1º Quando o ato processual tiver que ser praticado em determinado prazo, por meio eletrônico, serão considerados tempestivos os efetivados, salvo disposição em contrário, até as vinte e três horas e cinquenta e nove minutos do último dia do prazo, no horário oficial de Brasília.

§ 2º Na hipótese prevista no § 1º, se o sistema informatizado de gestão de processo administrativo eletrônico do órgão ou entidade se tornar indisponível por motivo técnico, o prazo fica automaticamente prorrogado até as vinte e três horas e cinquenta e nove minutos do primeiro dia útil seguinte ao da resolução do problema”.

Embora o artigo 22, parágrafo 2º, do Decreto 8.539/2015 estabeleça que os órgãos que já se utilizam do sistema eletrônico têm o período de três anos para se adaptar a tais normas, é importante enfatizar que tal dispositivo tem aplicação imediata e apenas reflete que o prazo deve ser prorrogado independentemente de diligências pessoais por parte dos contribuintes aos órgãos administrativos sob pena de caracterizar-se o cerceamento do seu direito de defesa.

A necessidade de ser prorrogado o prazo processual quando houver inaptidão do sistema eletrônico vem sendo tratada pela doutrina pátria, conforme se depreende das lições a seguir:

“A propósito, como enfatiza Carlos Henrique Abrão: ‘a petição eletrônica não está adstrita ao horário de funcionamento do Poder Judiciário, mas sim a sua via de acesso de comunicação e ao encaminhamento do documento’.

Por sua vez, se houver problemas no sistema do Poder Judiciário no dia do final do prazo, este fica automaticamente prorrogado para o primeiro dia útil seguinte à resolução do problema (LIPJ, art. 10, § 2º). Neste caso, caberá ao advogado acompanhar o dia da regularização do sistema, pois se regularizado e não protocolar ocorrerá a perda do prazo, por uma causa originária que, diga-se, não foi sua. O dispositivo em questão revela o caso em que se informatiza o Poder Judiciário e, na ocorrência de problemas, o ônus fica para o advogado (TEIXEIRA, Tarcísio. Curso de direito e processo eletrônico: doutrina, jurisprudência e prática – 3. ed. atual. e ampl. – São Paulo: Saraiva, 2015. Pgs. 497 e 498.)”.

“A lei processual estabelece que os prazos serão computados, salvo disposição em contrário, excluindo o dia do começo e incluindo o do vencimento (art. 224, caput, do CPC/2015). Por exemplo, se a intimação para qualquer ato processual ocorreu em uma sexta-feira, o dies a quo fluirá a partir de segunda-feira ou, se este dia for feriado, a partir de terça-feira, e assim por diante. Se no último dia do prazo o expediente forense for encerrado antes ou iniciado depois da hora normal, ou houver indisponibilidade da comunicação eletrônica, o dies ad quem prorrogar-se-á para o primeiro dia útil seguinte. É isso que estabelece o art. 224, § 1o, do CPC/2015 (NISHIYAMA, Adolfo Mamoru. Prática de direito processual civil – Para Graduação e Exame da OAB – 7. ed. – São Paulo: Atlas, 2015. Pg. 27.)”.

É, no mínimo, insensato exigir que os contribuintes, uma vez surpreendidos com a indisponibilidade do eCAC, tenham que atender a determinações cada vez mais complexas da Receita Federal para cumprimento de seus protocolos, as quais atualmente envolvem a utilização do Sistema de Validação e Autenticação de Arquivos Digitais (SVA), tal como determina o artigo 2º da referida Instrução Normativa 1.412/2013, que também estabelece uma extensa lista de exigências formais para realização em meio físico.

Aliás, a Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, em razão dos sucessivos erros verificados no sistema eletrônico, elaborou o Ofício 966/GAB/2016 destacando a impossibilidade de serem criadas medidas pela administração que tenham por objetivo dificultar o acesso do contribuinte à Receita Federal. A esse respeito, vale trazer o seguinte trecho do ofício mencionado:

“Além disso, a existência de indisponibilidade deve ipso facto autorizar o protocolo físico nas unidades de atendimento presencial, sem quaisquer exigências adicionais, ao contrário do que se tem notícia.

Por isso, a OAB-RJ solicita que RFB oriente suas unidades de atendimento a cumprirem rigorosamente a IN 1608/2016, efetuando o protocolo físico em caso de indisponibilidade do sistema eletrônico, sem exigir, por exemplo, prévio agendamento mediante senha, o protocolo apenas nos últimos dias de prazo ou mesmo o protocolo até o último dia do prazo no horário de funcionamento da unidade da RFB. Nessa última hipótese, em caso de indisponibilidade do sistema no último dia do prazo, após o horário de funcionamento da unidade da RFB, entende-se que deve ser possível a recepção do documento no dia útil seguinte na unidade da RFB”.

É interessante mencionar que as normas de informatização do processo judicial (artigo 10 da Lei 11.419/2006); da Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo (artigo 82 da Lei 13.457/2009); e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (artigo 75 da Resolução 5.083/2016) também já contêm previsão específica no sentido de que, no caso de indisponibilidade no sistema eletrônico no âmbito desses órgãos, o prazo processual fica automaticamente prorrogado até as 23h59 minutos do primeiro dia útil seguinte ao da resolução do problema. Confiram-se, a esse respeito, os seguintes dispositivos:

Não é por outro motivo que, no âmbito federal, existem julgados do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) reconhecendo a necessidade de ser prorrogado o prazo para interposição do recurso quando se caracterizar motivo justo que impeça o contribuinte de realizar o protocolo da peça processual. Nesse sentido:

“INTEMPESTIVIDADE. PRAZO RECURSAL. AFASTAMENTO. JUSTA CAUSA. INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 67 DA LEI Nº 9.784/99 COMBINADO COM O ARTIGO 223 DO NOVO CPC.

A ocorrência de justa causa, assim entendido o evento alheio à vontade da parte e que a impediu de praticar o ato por si ou por mandatário, é nos termos da Lei nº 9.784/99 e do novo CPC, causa de suspensão do prazo para apresentação de recurso (Processo Administrativo nº 12448.731520/2014-00. Acórdão nº 2201003.403. 2ª Câmara da 1ª Turma Ordinária da 2ª Seção de Julgamento. Sessão de 20/01/2017)”.

Por fim, o contribuinte que se vê surpreendido com a indisponibilidade do sistema eletrônico da Receita Federal, a fim de demonstrar tal fato, poderá se utilizar de quaisquer meios de prova por medida de cautela, tais como a elaboração de ata notarial, a reprodução da tela do erro obtida quando do sistema eCAC, o fornecimento de relatórios emitidos pelo departamento de tecnologia da informação, a obtenção de declarações de testemunhas e/ou a apresentação de outras informações extraídas na internet.

Portanto, não se pode admitir o cerceamento do direito de defesa do contribuinte quando o sistema da Receita Federal estiver indisponível, sendo imperioso nessa situação que o prazo para apresentação de defesas e recursos nos processos administrativos seja prorrogado para o primeiro dia útil subsequente, independentemente do cumprimento de outras obrigações estabelecidas pela administração ou de diligências pessoais do contribuinte às unidades de atendimento.

 

____________________________-

1 Disponível em: https://idg.receita.fazenda.gov.br/noticias/ascom/2011/abril/processo-digital-ja-esta-a-disposicao-dos-contribuintes

2 Código de Processo Civil: “Art.15 Na ausência de normas que regulem processos eleitorais, trabalhistas ou administrativos, as disposições deste Código lhes serão aplicadas supletiva e subsidiariamente”.

Falhas no sistema da Receita Federal e o cerceamento do direito de defesa – Por Rogerio Zanetta e Celso Ferreira da Cruz



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Falhas no sistema da Receita Federal e o cerceamento do direito de defesa – Por Rogerio Zanetta e Celso Ferreira da Cruz
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *