Web Statistics
Auxílio-moradia dos magistrados será discutido pelo Supremo | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Brasil / Auxílio-moradia dos magistrados será discutido pelo Supremo

Auxílio-moradia dos magistrados será discutido pelo Supremo

Painel Político – Notícias no Whatsapp sobre política, economia, artigos, jurídico, cultura e viagens.

O auxílio-moradia pago aos juízes de todo o país pode estar com os dias contados. Após o ministro Luiz Fux liberar para julgamento do plenário do STF, em 19 de dezembro, processos que discutem o benefício (AO 1773, AO 1946 e ACO 2511), a ministra Cármen Lúcia já anunciou que pode pautá-los para março.

Há mais de três anos o auxílio-moradia é concedido sem definição do tema pelo Supremo. O relatório Justiça em Números, do CNJ, mostra que são mais de 18 mil os magistrados brasileiros, quase todos aptos a usufruir do benefício – só não fazem jus aqueles que têm residência oficial à disposição.

Relembre

A possibilidade do recebimento do auxílio-moradia foi criada na Loman, de 1979. A lei diz que a vantagem pode ser outorgada aos magistrados, sendo vedada apenas se na localidade em que atua o magistrado houver residência oficial à disposição. Veja o art. 65, inciso II:

Art. 65 – Além dos vencimentos, poderão ser outorgadas aos magistrados, nos termos da lei, as seguintes vantagens:

II – ajuda de custo, para moradia, nas localidades em que não houver residência oficial à disposição do Magistrado.

A ajuda de custo, no entanto, não era regulamentada, sendo aplicada de forma diferente em cada Estado. O benefício era assegurado aos ministros do Supremo, por exemplo, por ato administrativo. Na prática, alguns juízes recebiam e outros não, situação que abriu espaço para questionamentos acerca de sua aplicabilidade.

Em 2014, três liminares proferidas pelo ministro Luiz Fux determinaram o pagamento a todos os juízes do país. A primeira, em setembro de 2014, na AO 1773, garantiu o pagamento do auxílio-moradia aos juízes Federais. Dias depois, o ministro proferiu decisão em outras duas ações originárias para estender o benefício a todos os magistrados do país – AO 1946, ajuizada pela AMB, e AO 2511, proposta pela Anamatra. Fux destacou que o auxílio é direito dos magistrados, pois se trata de verba de caráter indenizatório, previsto na Loman.

O pagamento do auxílio foi então regulamentado, em outubro de 2014, pelo CNJ, por meio da resolução 199/14. A norma estabeleceu que o valor do benefício só poderia ser pago em relação ao período iniciado em 15 de setembro de 2014 e não acarretaria retroatividade.

Por terem caráter de “verba indenizatória”, e não de salário, esses recursos não são levados em conta no cálculo do teto de vencimentos dos magistrados, de R$ 33.763.

De novo em pauta

A discussão sobre a decisão tomada pelo ministro Fux vem sendo lembrada desde que a ministra Cármen Lúcia determinou, em agosto do ano passado, que todos os Tribunais enviassem ao CNJ os dados referentes à remuneração dos magistrados, nos padrões estabelecidos pelo Conselho. O site do CNJ possui hoje uma aba destinada às informações acerca dos recebimentos da magistratura.

Em outubro de 2017, uma polêmica envolveu o recebimento do famigerado auxílio-moradia. O corregedor Nacional de Justiça, ministro João Otávio Noronha, suspendeu o pagamento retroativo de cinco anos do benefício que havia sido autorizado pelo TJ/RN aos magistrados da Corte. A liminar suspendeu somente os valores retroativos, sem afetar o pagamento mensal.

Na decisão, Noronha ressaltou que não houve remanejamento orçamentário, e que “se o pagamento for efetuado e posteriormente declarado inconstitucional, tratá sérios problemas à administração do tribunal devido à dificuldade de ressarcimento das verbas ao erário”. Ato contínuo, o corregedor determinou a devolução de valores referentes ao auxílio-moradia retroativo recebidos por juízes do Rio Grande do Norte.

Mas, em novembro, o ministro do STF Marco Aurélio suspendeu a decisão do CNJ sobre a devolução. No MS 35292, a Anamages ressaltou que as quantias foram recebidas de boa-fé após autorização do TJ publicada no diário. A liminar de Marco Aurélio suspendeu o ato questionado até julgamento final do MS. No mesmo dia, foi deferida liminar no MS 35298, impetrado pela AMB, que trata da mesma matéria.

Posição mantida

Em dezembro de 2017, o ministro Fux negou uma ação popular que visava barrar o auxílio a magistrados, promotores e conselheiros de Tribunais de Contas. A ação foi movida pelo Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância do Estado de Minas, para que sejam declarados inconstitucionais os valores conferidos a magistrados que tenham residência ou domicílio na mesma comarca em que trabalham.

De acordo com a entidade, o pagamento do benefício, em modalidade indenizatória, vem sendo, na prática, uma forma de aumentar a remuneração dos juízes. Ao decidir na ação popular, Fux não entrou no mérito da questão e levou em consideração decisões anteriores da Corte que sustentam o entendimento de que não cabe mover ações populares contra decisões judiciais – atos jurisdicionais.

Do fundo do baú

Em 2000, o então presidente do STF, ministro Carlos Velloso, anunciou a concessão de liminar em MS impetrado pela Ajufe para autorizar o pagamento de R$ 1.969 a R$ 3 mil aos juízes a título de auxílio-moradia. A liminar foi concedida pelo ministro Nelson Jobim em 27 de fevereiro.

Os magistrados reivindicavam o direito ao auxílio-moradia pago aos parlamentares. A ação se baseou na lei 8.448/92, que trata da equivalência salarial entre os funcionários dos três poderes, e discutia o teto salarial do funcionalismo.

A iniciativa de deferir a liminar foi adotada para suspender ameaça de greve na Justiça brasileira – seria a primeira greve nacional de magistrados. Velloso negociou com os dirigentes da Ajufe e da Anamatra, que concordaram com a oferta.

À época, o professor emérito da USP Goffredo da Silva Telles Jr., em entrevista à Folha, afirmou que a liminar era um “eufemismo”. “Eu vejo nisso um eufemismo – o macete, o chamado ‘jeitinho brasileiro’”. O advogado Walter Ceneviva, articulista da Folha, partilhava da mesma opinião de Telles: “Acho que o Judiciário está pagando um preço muito caro pela solução da greve. É um disfarce ruim para um aumento salarial”.

Ceneviva apontou que a concessão teria dois pontos problemáticos: o fato de que atingiria juízes em situações muito diferentes – aqueles com casa própria, os que tinham remuneração perto do teto, etc; e a discussão em torno do valor do salário mínimo: à época, discutia-se se seria de R$ 150 ou R$ 180 reais. Assim, afirmou Ceneviva, um aumento de R$ 3 mil tinha repercussão muito negativa.

Dada a decisão, integrantes da própria Suprema Corte articularam um movimento para recusar o benefício e tentar derrubar a liminar quando a ação fosse julgada definitivamente. Além do presidente do STF, Carlos ministro Velloso, e de Jobim, comentava-se no Supremo que outros cinco ministros estavam propensos a recusar o auxílio-moradia. O ministro Marco Aurélio, então vice-presidente da Corte, era o único favorável benefício.

A crise do auxílio-moradia reabriu a discussão do teto salarial dos três poderes. Em 2 de março de 2000, Michel Temer, então presidente da Câmara dos Deputados, anunciou que os representantes dos três Poderes chegaram a um acordo sobre o teto salarial para o setor público Federal. Segundo Temer, foi fixado como teto o valor de R$ 11,5 mil, intermediário entre os R$ 10,8 mil defendidos pelo Congresso e os R$ 12,7 mil defendidos pelo Judiciário. Temer esclareceu que o novo teto entraria em vigor em 1º de maio, justamente com o novo salário mínimo.

Auxílio-moradia dos magistrados será discutido pelo Supremo



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Auxílio-moradia dos magistrados será discutido pelo Supremo
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *