Web Statistics
Há 59 anos, Che Guevara recebia cidadania cubana | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Brasil / Há 59 anos, Che Guevara recebia cidadania cubana

Há 59 anos, Che Guevara recebia cidadania cubana

Painel Político – A informação chega primeiro aqui

Uma das primeiras medidas do Governo revolucionário depois do triunfo de 1º de janeiro foi o reconhecimento de Che como cidadão de Cuba

O povo cubano considerou Ernesto “Che” Guevara como um deles desde 7 de fevereiro de 1959. O Conselho de Ministros reconheceu o argentino como cidadão cubano por nascimento e as notícias invadiram os jornais da época junto com a Lei Fundamental do novo Governo que acolheu esse fato.

Uma das primeiras medidas do Governo revolucionário depois do triunfo de 1º de janeiro foi o reconhecimento de Che como cidadão de Cuba. Pouco mais de um mês depois, Cuba adotou Ernesto Rafael Guevara de la Serna como nativo.

A Lei Fundamental indica na seção 12 que “são cubanos por nascimento […] os estrangeiros que tenham servido na luta contra a tirania derrubada em 31 de dezembro de 1958 nas fileiras do Exército Rebelde por dois ou mais anos, e que tenham mantido o cargo de comandante por pelo menos um ano”, informou o jornal Granma.

Não é a primeira vez que tal acontecimento ocorreu na história de Cuba. O dominicano Máximo Gómez, general que liderou o Exército mambí nas lutas pela independência na época da colônia espanhola, também teve essa distinção, disse à Sputnik o historiador cubano Froilán González.

“Todavia, o caso do comandante Ernesto Che Guevara foi uma proposta de Fidel Castro que também era justa, merecida e honrosa para Cuba”, disse González.

Embora também houvesse outros estrangeiros na expedição de Granma, Che Guevara juntou-se à luta cubana desde o México e logo depois se juntou à luta armada, sendo o primeiro comandante do Exército Rebelde nomeado por Fidel.

“Che carregou a bandeira de Martí, Fidel e Antonio Maceo e, com sua grande capacidade, sintetizou tudo o que esses ideais representavam em suas ações, de modo que ele mereceu esse reconhecimento como filho por nascimento de Cuba, embora nunca negasse sua origem argentina”, disse González.

Em 1997, o historiador publicou com sua esposa Adys Cupull, o livro “Cidadão do mundo”, um documento que explica as influências do pensamento e da figura de Guevara muito além das fronteiras latino-americanas.

“O ‘Guerrilheiro Heroico’ era um homem completamente desapegado, sensível, inteligente e hábil. Todas essas características foram sintetizadas em um homem de luta e é por isso que o povo cubano sente um verdadeiro orgulho por essa decisão de reconhecê-lo como seu”, comentou o pesquisador.

O relacionamento de Che com os cubanos também influenciou o caráter e a formação patriótica do argentino, disse o entrevistado, a tal ponto que uma ilha foi batizada com seu nome.

“O nome ‘Che’ foi dado pelos cubanos […] Portanto, ele é um produto do povo cubano e de sua história, pois embora tivesse influência de toda a América Latina, foi seu encontro com Fidel e outros moncadistas que moldaram seu status de cubano”, assegurou o entrevistado.

González, comentando sobre o destino final dos restos mortais de Che, disse que é a Cuba que ele pertence. “Não só para que seus restos mortais descansem nesta terra, mas também para encorajar a luta e resistência de um país agredido e bloqueado por seu poderoso vizinho, com uma base militar ilegal onde os direitos humanos são violados diariamente”, afirmou.

Em 1983, González viajou para a Bolívia para saber mais sobre o destino dos restos mortais de Che como parte das pesquisas organizadas conduzidas por cientistas cubanos e argentinos. “Sentimos como um dever de cubanos e como uma forma de responder ao desejo de Fidel de que seus restos e os de seus companheiros fossem enterrados em Cuba”, disse ele.

Em sua carta de despedida, em outubro de 1965, Che confessou a Fidel: “Sinto que cumpri a parte de meu dever que me prendia à revolução cubana em seu território, e eu digo adeus a você, aos companheiros, ao seu povo, que também já é meu”, escreveu.

“Graças a seu exemplo, Cuba está cheia de homens novos e mulheres novas. Qualquer um que ame esta ilha, ou que defenda valores como a dignidade e justiça, ou que apenas lute pela independência e contra a submissão aos Estados Unidos, é um seguidor de seu exemplo”, concluiu González.

 

 

Com informações da Sputnik News Brasil.

Há 59 anos, Che Guevara recebia cidadania cubana



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Há 59 anos, Che Guevara recebia cidadania cubana
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *