Web Statistics
Conselheiro do Tribunal de Contas do Amapá vira réu no STJ por desmatamento | Gazeta de Rondônia
sexta-feira ,15 fevereiro 2019

Página Inicial / Brasil / Conselheiro do Tribunal de Contas do Amapá vira réu no STJ por desmatamento

Conselheiro do Tribunal de Contas do Amapá vira réu no STJ por desmatamento

Painel Político – A informação chega primeiro aqui

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça abriu ação penal, nesta quarta-feira (7/2), contra o conselheiro Amiraldo da Silva Favacho, do Tribunal de Contas do Amapá. Ele foi acusado de ordenar o desmatamento de uma floresta no assentamento Serra do Navio, sem autorização.

Com a denúncia aceita, Favacho virou réu e responderá agora ao processo. De acordo com o Ministério Público Federal, o crime ambiental ocorreu em área de preservação permanente do Incra, avançando na Floresta Nacional do Amapá e na Floresta Estadual do Amapá, adjacentes ao assentamento.

A defesa sustentou que não haveria justa causa para a persecução penal, pois a denúncia não estaria acompanhada de indícios de autoria ou dados que sugerissem a posse da área desmatada. Alegou ainda que o fato seria atípico e a que a responsabilidade imputada ao acusado teria cunho objetivo.

Para a relatora, ministra Nancy Andrighi, o vínculo do acusado com os fatos foi corretamente demonstrado pelo MPF na denúncia, que identificou de maneira precisa e individualizada a conduta a ele atribuída: ordenar e dirigir a atividade dos responsáveis diretos pelo suposto crime.

“Essa conduta imputada ao acusado é suficientemente determinada para demonstrar, de forma individualizada, como teria contribuído para a suposta prática do crime de desmatar ou degradar floresta em terras de domínio público ou devolutas, sem autorização de órgão competente (artigo 50-A da Lei 9.605/98), inclusive delimitando sua suposta atuação em relação a esse ilícito no concurso de agentes”, afirmou a ministra.

Justa causa

Nancy Andrighi afirmou que, conforme precedentes da 5ª e da 6ª Turma do STJ, a ação penal deve prosseguir sempre que houver indícios mínimos. Aplica-se nessa situação o princípio de que, nessa fase do processo, o interesse da sociedade é que deve prevalecer, afirmou a ministro.

Ela concluiu que os fatos estão descritos nos autos de infração e nos relatórios de fiscalização dos órgãos competentes, e que o local do delito encontra referência nas coordenadas geográficas e na documentação apresentada pelo Incra.

“A acusação possui, portanto, lastro probatório mínimo, apto a sugerir, ainda que de modo indiciário, a efetiva realização do ilícito penal por parte do denunciado, estando a plausibilidade da pretensão acusatória satisfatoriamente demonstrada, não consistindo a presente ação penal em processo temerário, leviano ou despido de qualquer sustentáculo probatório.”

A relatora afirmou também que as circunstâncias do caso não permitem julgamento imediato de absolvição que dispense o exame de provas. Só na instrução do processo será analisado se o acusado é responsável pelos fatos imputados. O entendimento foi seguido por unanimidade.

AP 873

 

Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Conselheiro do Tribunal de Contas do Amapá vira réu no STJ por desmatamento



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Conselheiro do Tribunal de Contas do Amapá vira réu no STJ por desmatamento
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *