Web Statistics
No DF, 40% dos casos de doença do pombo terminam em morte | Gazeta de Rondônia
quinta-feira ,20 setembro 2018

Página Inicial / Brasil / No DF, 40% dos casos de doença do pombo terminam em morte

No DF, 40% dos casos de doença do pombo terminam em morte

Número é semelhante ao registrado na África e é alarmante diante do fato de Brasília ter uma estrutura de atendimento muito melhor

Desde a internação de cinco pacientes no Hospital de Base por criptococose, popularmente conhecida como doença do pombo, a capital federal ficou em alerta para a disseminação do fungo. A letalidade da enfermidade no DF se assemelha a índices registrados no continente africano: chega a 40%, segundo estudo da Fundação Oswaldo Cruz. Aqui, quatro a cada 10 pacientes morrem depois de contaminados. A pesquisa estima que ocorrem, em média, 20 casos por ano no DF. Como o mal não é de notificação compulsória, ou seja, de registro obrigatório pela Secretaria de Saúde, os casos de adoecimento podem ser ainda mais volumosos.

O que chama a atenção dos pesquisadores da Fiocruz é a alta taxa de mortalidade numa cidade com condições de diagnóstico e tratamento satisfatórios: Brasília. O coordenador do Programa de Epidemiologia e Vigilância em Saúde da Fiocruz, Vitor Laerte, destaca que a capital está distante de índices registrados em países desenvolvidos, onde a mortalidade atinge entre 20% e 30% dos doentes. “Ainda não há explicações para o fato de a taxa do DF ser elevada. Estamos estudando por que isso acontece”, resume Vitor. Em alguns lugares do Brasil, com menos estrutura de saúde, no Norte e no Nordeste, por exemplo, o índice chega a 65%. O mal causa meningite, complicações cerebrais e pneumonia. Duas pessoas continuam em tratamento no DF. O Correio revelou as internações na edição de 22 de fevereiro.

A Secretaria de Saúde não revela as idades e onde os pacientes moram. O pesquisador da Fiocruz explica que, se for constatado que os casos são relacionados (por exemplo, se os doentes moram na mesma casa ou trabalham no mesmo local), isso indica um surto. O fungo acomete o trato respiratório e o sistema nervoso central. Tosse com muco ou sangue, febre, suores noturnos, emagrecimento, fraqueza, dor de cabeça, náuseas, vômitos, rigidez da nuca e fotofobia são os principais sintomas. Dependendo da região do cérebro atingida, pode haver diminuição no nível de consciência, convulsões, cegueira e surdez. A contaminação ocorre por inalação.

Apesar de a doença ter como marca a transmissão pelas fezes do pombo, outros fatores colaboram para o contágio. “O fungo vive no meio ambiente, sobretudo em madeira em decomposição. Ele também foi encontrado na poeira domiciliar e em viveiros de pássaros domésticos. Não adianta eliminar o pombo, pois o fungo continuaria existindo. Há pessoas que desenvolvem a doença e outras, não, ainda estamos estudando isso. Inalamos fungos o tempo inteiro”, pondera. Apesar disso, desde as internações, os pedidos de dedetização contra as aves subiram em torno de 25%, segundo consulta feita pela reportagem em três empresas que disponibilizam o serviço no DF.

Na avaliação da coordenadora de Infectologia da Secretaria de Saúde, Eliana Bicudo, as fezes de pombo são o principal fator de risco, por isso, ela alerta para a importância do controle da população dessas aves, sobretudo no centro das grandes cidades. “Em algumas quadras do Plano Piloto, pombos habitam o parapeito dos apartamentos. Já tive pacientes que tiveram a doença só por abrir a janela, já que as fezes estavam presentes”, alerta. “A quantidade de pombos no DF é relacionada à presença de lixo. As pessoas alimentam essas aves. Esse convívio próximo é arriscado”, aconselha. A Secretaria de Saúde não comentou os dados da pesquisa da Fiocruz.

Diagnóstico

Os pesquisadores da Fiocruz contabilizaram 56 infecções no DF em cinco anos. A maior parcela dos casos é de pacientes que são soropositivos. Isso acontece porque a criptococose é uma doença oportunista, que se beneficia de falhas no sistema imunológico. Apesar de a ciência ainda não saber muito sobre o mal, há uma certeza: quanto mais cedo for tratado, melhor é o prognóstico. “Detectar o fungo no sangue antes que o paciente desenvolva a doença possibilita o tratamento”, destaca Vitor. Há um mês, a auxiliar de serviços gerais Valdinéia Almeida Castro, 39 anos, está internada lutando contra o fungo. O leitor conheceu a história dela na edição de 22 de fevereiro. A moradora de Taguatinga fez uma cirurgia na cabeça para drenar líquido cerebral contaminado pelo fungo. Atualmente, usa cateter. “Ela está reagindo bem ao tratamento e se recupera bem da cirurgia. Está consciente e não sente mais dores”, conta a manicure Valquiria Almeida Castro, 43, irmã de Valdinéia. Não há previsão para alta do Hospital de Base e a equipe médica ainda não avaliou se ela terá sequelas.

Fonte: correiobraziliense

O post No DF, 40% dos casos de doença do pombo terminam em morte apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:No DF, 40% dos casos de doença do pombo terminam em morte
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *