Web Statistics
Governo anuncia trégua após dia tenso, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Brasil / Governo anuncia trégua após dia tenso, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida

Governo anuncia trégua após dia tenso, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida

Fruto de sete horas de reuniões no Palácio do Planalto, o acordo para a trégua inclui a promessa do governo de atender 12 reivindicações dos caminhoneiros, mas deixa de fora a principal demanda dos trabalhadores: a isenção do PIS / Cofins sobre o óleo diesel

Eram quase dez horas da noite quando os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda), Carlos Marun (Secretaria de Governo) e Valter Casemiro (Transportes) anunciaram ter chegado a um acordo com representantes dos caminhoneiros para suspender, pelos próximos 15 dias, as manifestações e as greves da categoria.

O acordo foi assinado por algumas entidades representativas, incluindo a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA). Outros grupos, como a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) e a União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam) rejeitaram a proposta. A CNTA disse que levará a proposta aos motoristas, para apreciação.

Fruto de sete horas de reuniões no Palácio do Planalto, o acordo para a trégua inclui a promessa do governo de atender 12 reivindicações dos caminhoneiros, mas deixa de fora a principal demanda dos trabalhadores: a isenção do PIS / Cofins sobre o óleo diesel. Por este motivo, não é possível saber se o acordo negociado pelo governo será efetivo.

Esta sexta-feira pode representar o quinto dia de greve dos caminhoneiros. Além do desabastecimento de gasolina e alguns alimentos perecíveis, o movimento também resultou numa onda de notícias falsas e alarmistas nas redes sociais.

VALTER CAMPANATO / AGÊNCIA BRASIL

As principais promessas do governo para os caminhoneiros são zerar a alíquota de um dos impostos cobrados sobre o óleo diesel, a Cide; manter a redução no preço do diesel anunciada pela Petrobras nos próximos 30 dias (a companhia petroleira já tinha prometido 15 dias de redução); assegurar que os preços do óleo só sejam reajustados de 30 em 30 dias; e reeditar periodicamente uma tabela de referência (sem força de lei) para os preços dos fretes. Esta última medida custará ao governo R$ 4,9 bilhões até o fim de 2018 – a Petrobras será compensada pelas perdas.

Mas nem todos os líderes dos caminhoneiros ficaram satisfeitos: o presidente da Abcam, José Lopes da Fonseca, deixou a reunião no meio da tarde, dizendo que só pararia a greve depois de obter a isenção de PIS e Cofins sobre o diesel: o tributo representa 12% do preço do combustível, enquanto a Cide (cuja isenção foi oferecida pelo governo) responde por 1%.

“Eu não vou assinar (o acordo) com a categoria toda parada. O que eles querem é desmobilizar a greve. A greve não é dos caminhoneiros, é da sociedade toda. Muitas outras categorias aderiram. O que temos até agora são só promessas. Então, não assinei e não me arrependo. Acho que fiz certo”, disse à BBC Brasil o presidente da Unicam, José Araújo da Silva, o China.

Além da isenção de PIS e Cofins, os caminhoneiros que são contra o acordo também querem esperar até terça-feira, quando o Senado pode votar um projeto de lei que cria um valor mínimo para o frete (diferente da tabela de referência oferecida pelo governo).

FABIO POZZEBOM / AGÊNCIA BRASIL

Principal reivindicação ainda é dúvida e depende do Senado

O presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB), tinha planejado ontem um dia de “agendas positivas” em seu Estado de origem, o Ceará. No começo da manhã, pegou um voo de Brasília para Fortaleza. Lá, se encontraria com o governador do Estado, Camilo Santana (PT) e o ministro Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), e anunciaria a liberação de dinheiro federal para a construção de cisternas.

Mal pousou na capital cearense, o emedebista se irritou ao conhecer os detalhes da votação ocorrida na madrugada de quarta para quinta-feira, na Câmara dos Deputados: numa rebelião contra o governo do presidente Michel Temer, os deputados aprovaram em votação simbólica (quando há consenso entre todos os partidos) a isenção de PIS e Cofins sobre o óleo diesel.

Era uma tentativa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de baixar o preço do combustível e debelar a greve dos caminhoneiros, que teve na quinta-feira o seu 4º dia. Maia é pré-candidato pelo DEM à Presidência da República. A isenção do PIS e do Cofins é a principal reivindicação da maioria dos grevistas.

“Essa votação (da Câmara) não estava prevista e não foi combinada com ele (Eunício). E detalhe: com um erro de cálculo de R$ 10 bilhões”, disse uma pessoa próxima a Eunício, sob condição de anonimato. Na hora do almoço, o presidente do Senado já estava voando de volta para Brasília – ele disse não ter saído nem do aeroporto em Fortaleza.

O emedebista tinha também suavizado o discurso: de manhã, Eunício disse a jornalistas que era “impossível” votar a isenção de impostos para o diesel nos próximos dias – no meio da tarde, disse que vai retomar as negociações para tentar aplacar a greve.

Eunício também determinou ao seu gabinete que ligasse para os senadores, convocando todos a Brasília. Outro que passou a tarde ligando para os colegas foi o vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que defende que o Senado vote o tema e aprove a isenção do PIS e Cofins já nesta sexta-feira.

Após reunir-se com os líderes de alguns partidos no Senado, ontem à noite, Eunício foi chamado ao Palácio do Planalto para conversar com o governo e com os líderes dos caminhoneiros. “Se (a aprovação da isenção fiscal) for a condição para que o Brasil tenha tranquilidade, nós teremos que buscar uma solução”, disse o senador cearense no começo da noite, mas sem entrar em detalhes.

O cálculo de Rodrigo Maia que fez água

Era quase uma hora da manhã de quinta-feira quando os deputados votaram de forma simbólica um projeto de lei, enviado pelo governo, que acabava com a isenção de impostos sobre a folha de pagamentos de vários setores da economia. Votações simbólicas ocorrem quando todos os partidos da Câmara estão de acordo com o tema. O consenso só foi possível porque o relator do projeto, deputado Orlando Silva (PC do B-SP) incluiu em sua proposta a isenção dos impostos PIS e Cofins para o óleo diesel.

PETROBRAS / REPRODUÇÃO

Silva e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estimaram que a perda do governo com a isenção da PIS e Cofins sobre o diesel até o fim de 2018 seria de cerca de R$ 3 bilhões, valor menor que os ganhos com o fim da isenção sobre a folha de pagamentos.

O problema é que o cálculo estava incorreto: a própria Consultoria de Orçamento (Conof) da Câmara informou a alguns deputados, informalmente, que o impacto seria de R$ 12 bilhões até o fim do ano, e de mais de R$ 20 bilhões ao longo do ano de 2019. A Receita Federal sustenta que o rombo é de R$ 14 bilhões em 2018.

“Nós (deputados governistas) estávamos dizendo que era de R$ 14 bilhões, e ele (Rodrigo Maia) teimando nos R$ 3 bilhões. Vai ter que arquivar (o projeto) no Senado e voltar para a Câmara. Redução de impostos quem pode fazer é o governo, porque é ele que está com a conta na mão”, disse à BBC Brasil o deputado Beto Mansur (PRP-SP), um dos mais fiéis a Michel Temer na Câmara.

Mais tarde, na entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto para anunciar a trégua, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse que a desoneração de PIS e Cofins poderia ser discutida “em outro momento”.

Na tarde de hoje, o próprio Maia reconheceu que sua estimativa inicial estava errada. Mas disse que, com a alta dos preços do petróleo, o governo terá uma arrecadação extra de royalties do produto, o que compensaria a perda com os impostos.

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a emenda constitucional do Novo Regime Fiscal (o chamado “teto de gastos”) também exigem que qualquer projeto com impacto orçamentário venha acompanhado de uma estimativa de gastos – o que não ocorreu na Câmara.

O post Governo anuncia trégua após dia tenso, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Governo anuncia trégua após dia tenso, mas fim da greve de caminhoneiros é dúvida
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *