Web Statistics
Governo discute redução do preço da gasolina nesta segunda (4/6) | Gazeta de Rondônia
Página Inicial / Últimas / Governo discute redução do preço da gasolina nesta segunda (4/6)

Governo discute redução do preço da gasolina nesta segunda (4/6)

Grupo de trabalho formado pelo Ministério de Minas e Energia e pela ANP pretende “amortecer” impactos da política de preços da Petrobras

Após o fim da greve dos caminhoneiros e a crise causada pela demissão de Pedro Parente da Petrobras, os combustíveis continuam na pauta do governo federal durante esta semana. Está marcada para segunda-feira (4/6) uma reunião da força-tarefa formada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) com o objetivo de discutir medidas que possam reduzir o preço dos combustíveis ao consumidor final.

Composto por técnicos dos dois órgãos, o grupo vai analisar possíveis medidas para “amortecer” o custo desses itens diante da atual política de preços da Petrobras, que possibilita mudanças quase diárias no valor repassado pelas refinarias. Como o governo se comprometeu, em acordo com os caminhoneiros, a reduzir o preço do óleo diesel em R$ 0,46 pelos próximos 60 dias, o objetivo da força-tarefa é estudar políticas relacionadas a outros combustíveis, como a gasolina.

A medida foi anunciada na última sexta-feira (1º), quando o executivo Pedro Parente pediu demissão e deixou a presidência da Petrobras. Responsável por instituir a nova política de preços da estatal, Parente foi alvo de duras críticas por conta dos sucessivos reajustes no preço dos combustíveis. Uma das razões que o levou a deixar o cargo, inclusive, foi a pressão para que a norma fosse alterada.

Ao anunciar a indicação de Ivan Monteiro para a presidência da Petrobras, na última sexta, o presidente Michel Temer disse que “não haverá qualquer interferência na política de preços da companhia”. “Continuaremos com a política que retirou a companhia do prejuízo e a trouxe novamente para o rol das mais respeitadas no Brasil e no exterior”, continuou.

Com o grupo de trabalho, o governo pretende demonstrar que vai garantir a autonomia da estatal na instauração de sua política, ao mesmo tempo em que discute medidas para diminuir os efeitos dela no bolso do consumidor.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o objetivo é criar “uma política de amortecimento dos preços dos combustíveis ao consumidor, um mecanismo que o proteja da volatilidade dos preços dos combustíveis nas bombas. Algo fora da política de preços da Petrobras”.

Ainda de acordo com a pasta, “essa política de proteção terá que preservar a atual prática de preços de mercado para o produtor e importador, o que é tido pela atual administração como um ponto fundamental para a atração de investimentos para o setor”.

Política de preços
Desde 2016, a Petrobras segue uma diretriz de variação do preço dos combustíveis que acompanha a valorização do dólar e o encarecimento do petróleo no mercado internacional. Na nota, o MME diz que a política de liberdade de preços da Petrobras, assim como das demais empresas de petróleo que atuam no país, “é uma política de governo”. “A Petrobras teve e tem total autonomia para definir sua própria política de preços”, destaca o texto.

Com os reajustes, no início de maio, a Petrobras anunciou um crescimento do lucro líquido de 56,5% no primeiro trimestre de 2018, em relação a igual período de 2017, atingindo R$ 6,96 bilhões. O crescimento expressivo surge depois de quatro anos seguidos de prejuízos e de um processo de reestruturação e de redução do endividamento da companhia, que teve início após as denúncias da Operação Lavo Jato.

Este foi, segundo a estatal, o melhor resultado trimestral desde o início de 2013, quando a empresa havia lucrado R$ 7,69 bilhões, e também terminou o trimestre com resultados positivos em sua métrica de segurança.

Flutuações
As flutuações, no entanto, impactam o consumidor. No sábado (2), a Petrobras aumentou em 2,25% o preço da gasolina em suas refinarias. Com isso, o litro do combustível ficou quatro centavos mais caro, ao passar de R$ 1,9671 para R$ 2,0113, de acordo com a estatal.

Em um mês, o combustível acumula alta de preço de 11,29%, ou seja, de 20 centavos por litro, já que, em 1º de maio, o combustível era negociado nas refinarias a R$ 1,8072. O preço do diesel, que recuou 30 centavos desde o dia 23 de maio, no ápice da greve dos caminhoneiros, será mantido em R$ 2,0316 por 60 dias.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese) diz, em nota técnica, que a política de preços resultou, entre o final de abril e o início de maio, em 16 reajustes do preço da gasolina e do diesel nas refinarias. Para o consumidor final, os preços médios nas bombas de combustíveis subiram, considerando os impostos federais e estaduais, de R$ 3,40 para R$ 5, no caso do litro de gasolina (crescimento de 47%), e de R$ 2,89 para R$ 4,00, para o litro do óleo diesel (alta de 38,4%).

(Com informações da Agência Brasil)

Fonte: metropoles

O post Governo discute redução do preço da gasolina nesta segunda (4/6) apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Governo discute redução do preço da gasolina nesta segunda (4/6)
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

População carcerária quase dobrou em dez anos

Presos enfrentam superlotação e violação de direitos “Sou condenado à morte por doenças crônicas, que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *