Web Statistics
Comerciante é condenado a 17 anos de prisão por enterrar bancário vivo | Gazeta de Rondônia
Página Inicial / Últimas / Comerciante é condenado a 17 anos de prisão por enterrar bancário vivo

Comerciante é condenado a 17 anos de prisão por enterrar bancário vivo

Analista financeiro do banco de Paris Carlos Alberto Araújo foi morto por dívida de R$ 620 mil

No banco dos réus pela segunda vez, o ex-administrator de lava a jato Adelir da Silva Mota foi condenado a 17 anos de prisão pela morte do o analista financeiro do Banco Nacional de Paris Carlos Alberto de Souza Araújo, em fevereiro de 2003, em Ribeirão Preto (SP).

O advogado Luiz Carlos Martins Joaquim afirmou que ingressará com um pedido de habeas corpus para que o cliente possa recorrer da pena em liberdade.

Mota já havia sido condenado a 18 anos de prisão pelo mesmo crime, em novembro de 2014. Entretanto, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) anulou a sentença, alegando que o réu não poderia responder pelo crime de ocultação de cadáver, já que a vítima foi enterrada viva.

Na noite desta quinta-feira (28), o novo júri entendeu que Mota deveria ser responsabilizado por homicídio triplamente qualificado: hediondo, por motivo torpe, meio cruel e com uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Segundo o Ministério Público, o analista financeiro morreu após ser espancado e enterrado vivo por Mota e pelo empresário Alexandre Titoto, que foi condenado a 25 anos de prisão, mas está em liberdade graças a um habeas corpus concedido pelo TJ-SP.

O motivo do crime, ainda de acordo com o MP, foi uma dívida de R$ 405 mil – valor atualizado em R$ 620 mil – que a vítima cobrava de Titoto. O empresário pediu a ajuda de Mota para matar a vítima dentro do escritório em Ribeirão, em fevereiro de 2003.

Condenação

O promotor Marcus Túlio Nicolino afirmou que no primeiro julgamento, em 2014, Mota foi condenado a 17 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado e a um ano de reclusão pelo crime de ocultação de cadáver, pena que depois foi anulada pelo TJ-SP.

“Então, estávamos limitados porque, como ele já havia sido condenado no julgamento anterior a 17 anos de prisão pelo homicídio e a um ano por ocultação de cadáver, mas esse crime foi retirado, a pena não poderia ser aumentada. O juiz fixou no máximo que poderia”, disse.

Ainda segundo Nicolino, a sentença determinou a prisão imediata de Mota, que deixou o Fórum de Ribeirão Preto algemado e foi levado à Central de Flagrantes da Polícia Civil, onde passou a madrugada desta sexta-feira (29).

Defesa

O advogado Luiz Carlos Martins Joaquim disse acreditar que o TJ-SP vai conceder um habeas corpus para que Mota possa recorrer da sentença em liberdade, uma vez que Titoto obteve o mesmo direito, apesar de ter recebido uma pena maior.

Além disso, a defesa alega que Mota não tem antecedentes criminais, não estava foragido e compareceu ao julgamento. Joaquim também disse que ingressará com recurso para que a pena de 17 anos de prisão seja reduzida.

“Cabe recurso para diminuir a pena porque o motivo torpe, que constitui a qualificadora, não é de prosperar. O próprio TJ já afirmou que não ficou comprovado. Só que eu não poderia mencionar o acórdão no plenário, então vai ter que ser por recurso”, afirmou.

Carlos Alberto de Souza Araújo era analista financeiro do Banco Nacional de Paris (Foto: Reprodução/EPTV/Arquivo)

Cobrança de dívida

Titoto chegou a ser preso na época do crime. À Polícia Civil, ele afirmou que fazia aplicações financeiras com Araújo, quando passaram a discutir por causa da venda de um carro importado: a vítima não teria recebido o valor combinado de R$ 405 mil – atualizado em R$ 620 mil.

Os dois iniciaram uma briga com agressões físicas e Mota – que prestava serviços para Titoto – disse em depoimento que interferiu, agredindo o analista financeiro com socos e com pedaços de uma moldura de quadro.

A Promotoria sustentou a tese de que a vítima perdeu os sentidos após a agressão. Mota e Titoto, acreditando que Araújo estivesse morto, enterraram o corpo na fazenda do empresário em Serrana, a 50 quilômetros de Ribeirão, onde o crime teve início.

O exame necroscópico feito pelo Instituto Médico Legal (IML) constatou que Araújo foi enterrado vivo. O atestado de óbito indica morte por traumatismo craniano, asfixia mecânica e soterramento – havia vestígios de terra nos pulmões.

G1/SP

O post Comerciante é condenado a 17 anos de prisão por enterrar bancário vivo apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Comerciante é condenado a 17 anos de prisão por enterrar bancário vivo
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Pagamento dos servidores estaduais é antecipado para esta terça-feira em RO

De acordo com a Secretaria de Estado de Finanças (Sefin) a dívida do Beron, que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *