Web Statistics
Casal é condenado por matar filha recém-nascida e jogar corpo na lixeira no MT | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Últimas / Casal é condenado por matar filha recém-nascida e jogar corpo na lixeira no MT

Casal é condenado por matar filha recém-nascida e jogar corpo na lixeira no MT

Mãe teria jogado o bebê no vaso sanitário e depois asfixiado com papel higiênico. Crime ocorreu, em 2016, no Bairro CPA III, na capital.

Um casal acusado de matar a filha recém-nascida asfixiada, logo após o parto, em 2011, em Cuiabá (MT), foi condenado à prisão. O julgamento de Marcos Antônio Andrade da Silva, de 45 anos e Marcela de Souza Cardoso, de 34 anos, foi realizado, na segunda-feira (30), na capital.

A defesa dos réus foi feita por uma defensora pública, que vai recorrer da decisão.

De acordo com a sentença, a mãe foi condenada a dois anos de detenção em regime fechado, mais dois anos e quatro meses de reclusão, em regime aberto. Além da prisão, ela foi condenada a pagar 30 dias-multa.

Já o pai, foi condenado a três anos de reclusão, em regime aberto e à pena de 40 dias-multa.

A sentença foi proferida pela juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, que presidiu o júri popular.

De acordo com o processo movido pelo Ministério Público Estadual (MPE), a rejeição dos pais à criança, começou antes mesmo dela nascer.

Marcos Antônio, que já tinha outros dois filhos, não queria arcar com as despesas de mais uma criança. Ele teria convencido a mulher, a não ter o bebê desde a descoberta da gravidez.

Marcela teria acatado as orientações do marido, fazendo uso de métodos abortivos para tentar interromper a gestação.

Depois de ter sido presa, a mãe teria confessado à polícia que jogou a recém-nascida no vaso sanitário e apertou a descarga.

Depois de aproximadamente uma hora, Marcela teria retirado a criança do vaso ainda com vida e colocado papel higiênico na garganta da menina até que ela morresse asfixiada.

Ainda segundo confissão da mãe, após se certificar que o bebê estava morto, ela teria enrolado o corpo enrolado num pano, colocado em um saco plástico e depositado na lixeira do condomínio para dar impressão de que fosse lixo doméstico.

O corpo da recém-nascida foi encontrado no mesmo dia, por um catador que vasculhava a lixeira em busca de produtos recicláveis.

À época, o casal foi preso, mas conseguiu liberdade e estava solto até o julgamento.

Fonte: g1

O post Casal é condenado por matar filha recém-nascida e jogar corpo na lixeira no MT apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Casal é condenado por matar filha recém-nascida e jogar corpo na lixeira no MT
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Eleito pelo NOVO pregando “fim dos privilégios”, Zema faz 1 viagem aérea a cada 5 dias no governo de MG

O hoje governador Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais, fez campanha eleitoral criticando duramente o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *