terça-feira ,27 fevereiro 2024
Página Inicial / Últimas / 35 entidades falam em erro de Haddad sobre mudança na tributação de empresas

35 entidades falam em erro de Haddad sobre mudança na tributação de empresas

Com a publicação da Medida Provisória que revoga o Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos), 35 entidades classificaram como “equivocados” os argumentos usados pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para defender o texto. Em comunicado, as representações de classes do setor de cultura, entretenimento e turismo dizem que a pasta ignora os benefícios sociais e fiscais promovidos pela lei.

“A apresentação do Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, trouxe equívocos sobre o período de vigência do programa, índices de geração de empregos e os benefícios sociais e fiscais da Lei, além de não mencionar o prejuízo econômico de 513 bilhões que o setor de turismo e eventos suportou nos anos de pandemia, sendo estas as atividades com as mais graves restrições de funcionamento”, afirmam as organizações.

O programa foi criado em 2021 para socorrer o setor em meio à pandemia de covid-19. Inicialmente, ele teria validade de 2 anos, mas foi prorrogado para mais 5 pelo Congresso Nacional. A Fazenda, no entanto, determinou que a iniciativa seja gradualmente descontinuada nos próximos 2 anos. Com a medida, o ministério espera repor R$ 6 bilhões para os cofres públicos em 2024.

Durante o anúncio da medida, na 5ª feira (28.dez.2023), Haddad afirmou que a projeção de perda de arrecadação com o programa era de R$ 4 bilhões ao ano, mas que a renúncia fiscal atingiu R$ 16 bilhões neste ano. As associações questionam o dado apresentado.

“Ainda que tenhamos já solicitado essa informação à Receita Federal há alguns meses, não obtivemos resposta a esse pedido. Esse número apontado não nos parece real, uma vez que nos cálculos dos economistas que elaboraram o Perse, o programa teria o custo anual estimado entre R$ 4 e R$ 5 bilhões, em especial após a redução de CNAEs (Classificação Nacional das Atividades Econômicas) estabelecida no início deste ano”, diz o comunicado.

As 35 entidades declaram, ainda, que Haddad se equivocou ao dizer que a lei foi pensada para durar apenas 2 anos.

“Na verdade, desde o início da sua articulação com o governo, com o apoio da Câmara e do Senado, já se previa uma duração de 5 anos, tempo necessário para a plena recuperação dos setores de sua abrangência”, afirma a nota.

O grupo encerra a nota reivindicando maior “segurança jurídica” para que o setor siga “acreditando no Brasil”.

Leia a íntegra do comunicado:

“A revogação antecipada do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE) proposta pela Medida Provisória 1.202, de 29 de dezembro, causa preocupação nos segmentos de cultura, entretenimento e turismo. A apresentação do Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na véspera, trouxe equívocos sobre o período de vigência do programa, índices de geração de empregos e os benefícios sociais e fiscais da Lei, além de não mencionar o prejuízo econômico de 513 bilhões que o setor de turismo e eventos suportou nos anos de pandemia, sendo estas as atividades com as mais graves restrições de funcionamento.

“Entendemos que o Governo Federal precisa organizar as contas públicas, da mesma forma que é preciso compreender que o programa é meritório e eficaz, como reconheceu o próprio ministro.

“Um dos equívocos cometidos pelo ministro refere-se ao período de abrangência da Lei que criou o PERSE, lei 14.148. Haddad afirma que a lei foi elaborada para durar dois anos, quando, na verdade, desde o início da sua articulação com o governo, com o apoio da Câmara e do Senado, já previa uma duração de cinco anos, tempo necessário para a plena recuperação dos setores de sua abrangência.

“O ministro equivoca-se, também, em relação à queda de empregos. Ele se esquece de reconhecer que os setores de eventos, cultura, entretenimento e turismo continuam sendo o maior gerador de empregos no país, conforme apontam os dados do IBGE e do Ministério do Trabalho e Emprego. No saldo acumulado entre janeiro e outubro de 2023, a geração de empregos no setor de eventos cresceu 46,6%, contra apenas 23,3% dos serviços em geral e a redução em áreas como agropecuária (- 9,1%) e construção civil (-12,4%).

“Além disso, o ministro esqueceu de citar que o Governo Federal recuperou, como consequência da lei que criou o PERSE, mais de R$ 20 bilhões de reais de débitos negociados entre a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e as empresas do setor até o momento. Esse é o maior programa de transação fiscal da história do país.

“Por fim, recomenda-se um aprofundamento no número apresentado pelo Ministro Haddad no que diz respeito à renúncia fiscal de R$ 16 bilhões em decorrência do PERSE. Ainda que tenhamos já solicitado essa informação à Receita Federal há alguns meses, não obtivemos resposta a esse pedido. Esse número apontado não nos parece real, uma vez que nos cálculos dos economistas que elaboraram o PERSE, o programa teria o custo anual estimado entre R$ 4 e R$ 5 bilhões, em especial após a redução de CNAEs (Classificação Nacional das Atividades Econômicas) estabelecida no início deste ano.

“O PERSE foi aprovado em três oportunidades com apoio suprapartidário no Congresso Nacional (Lei 14.148/21, derrubada dos vetos e Lei 14.592/23) sempre por prazo determinado. O crescimento econômico somente é possível com segurança jurídica, e as empresas do setor cultural, de turismo e eventos querem seguir acreditando no Brasil.

Temos certeza de que o Senado e Câmara vão reconhecer que todos os investimentos realizados e empregos criados suportam as medidas proporcionadas pelo programa, pelos resultados que apresentamos.”

Assinam o texto:

  1. Abav – Associação Brasileira de Agências de Viagens2. Abeform – Associação Brasileira das Empresas de Formaturas3. Aboec Brasil – Associação Brasileira de Empresas de Eventos4. Abeta – Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura5. Abih – Associação Brasileira da Industria de Hotéis6. Abrace – Associação Brasileira de Cenografia e Estandes7. Abraceo – Associação Brasileira dos Organizadores de Corridas de Rua e Esportes Outdoor8. Abracorp – Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas9. Abrafesta – Associação Brasileira de Eventos10. Abrape – Associação Brasileira dos Promotores de Eventos11. Abraplex – Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas Operadoras de Multiplex12. Academia – Academia Brasileira de Eventos e Turismo13. Adibra – Associação de Parques e Atrações14. Adit Brasil – Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil15. Agepes – Associação Gaúcha de Empresas e Profissionais de Eventos16. Air Tkt – Associação Brasileira dos Consolidadores de Passagens Aéreas e Serviços de Viagens17. Alagev – Associação Latino-Americana de Gestão de Eventos e Viagens Corporativas18. Ampro – Associação de Marketing Promocional19. Anafima – Associação Nacional da Indústria da Música20. Anppe – Associação Nacional dos Profissionais de Produção de Eventos21. Apresenta Rio – Associação dos Promotores de Eventos do Setor de Entretenimento e Afins do Estado do Rio de Janeiro22. Blta – Brazilian Luxury Travel Association23. Braztoa – Associação Brasileira das Operadoras de Turismo24. Clia – Cruise Lines International Association25. Fbha – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação26. Fohb – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil27. Ifea – Associação Internacional de Festivais e Eventos28. Resorts Brasil – Associação Brasileira de Resorts29. Sinaprem – Sindicato Nacional de Empresas de Agenciamento e de Produções de Eventos Artísticos Musicais e Similares30. Sindepat – Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas31. Sindimusica – Sindicato das Indústrias de Instrumentos Musicais do Estado de São Paulo32. Sindiprom – Sindicato de Empresas de Promoção, Organização e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos
  2. Skal Internacional São Paulo – Associação Internacional dos Profissionais de Turismo34. Ubrafe – União Brasileira dos Promotores de Feiras35 Unedestinos – União Nacional de CVBx e Entidades de Destinos

Créditos: Poder 360.

O post 35 entidades falam em erro de Haddad sobre mudança na tributação de empresas apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:35 entidades falam em erro de Haddad sobre mudança na tributação de empresas
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Bolsonaro se reuniu com Temer para alinhar discurso de ato na Paulista, diz site

Daniel Ferreira/Metrópoles Após reunião com Bolsonaro, Temer procurou ministros do STF para afiançar que ex-presidente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *