Página Inicial / Últimas / Lula recua e diz que não disse o que ele disse sobre Israel

Lula recua e diz que não disse o que ele disse sobre Israel

foto: reprodução

A primeira coisa que Lula faz quando se vê encrencado por causa das besteiras que diz é correr para dar uma entrevista a um amigo. Quanto aos áulicos lulistas, eles tentam convencer a choldra de que Lula não quis dizer o que ele disse, muito pelo contrário.

Ele acaba de dar uma entrevista a um amigo. Depois de comparar o que Israel faz em Gaza ao genocídio que Adolf Hitler perpetrou contra os judeus, ele afirmou:

“Primeiro que não disse a palavra Holocausto. Holocausto foi interpretação do primeiro-ministro de Israel. Não foi minha. A segunda coisa é a seguinte, morte é morte.”

É risível: o nome que se dá ao assassinato de milhões de judeus por Hitler é Holocausto. Não ter dito Holocausto não cancela a comparação com…o Holocausto. Uma comparação inaceitável porque a) é despida de sentido, visto que Israel não está praticando genocídio em Gaza; b) porque banaliza o pior crime já cometido contra a humanidade; c) porque é uma desonestidade antissemita que iguala as vítimas, os judeus, a seus carrascos, os nazistas.

Lula mente, portanto, ao dizer que não disse o que disse. E ainda bota a culpa no judeu do Netanyahu, que teria interpretado errado de propósito, por ser de direita: “Agora veja, eu não esperava que o governo de Israel fosse compreender. Eu não esperava. Porque eu conheço o cidadão historicamente já há algum tempo, eu sei o que ele pensa ideologicamente”. Lula também chamou o defunto Alexei Navalny de “cidadão”. De certa forma, é uma honra para o “cidadão” da vez.

Mentir faz parte da job description de qualquer político, mas está para nascer quem mente com tanta desfaçatez. Lula também afirmou:

“O Brasil foi o primeiro país a condenar o gesto terrorista do Hamas. O primeiro país. Mas eu não posso condenar o gesto terrorista do Hamas e ver o estado de Israel através do seu exército, do seu primeiro-ministro fazendo com inocente da mesma barbaridade. Ou seja, o que nós estamos clamando: que pare os tiroteiros, que permita que tenha a chegada de alimento, remédio, de médico, enfermeiro, para que a gente tenha um corredor humanitário e tratar das pessoas. É isso.”

Não é isso, não. O governo brasileiro foi rápido, mas a sua nota evitou chamar o Hamas de grupo terrorista, que é o que ele é — o governo escuda-se no fato de a ONU não reconhecer o Hamas como terrorista, mas isso diz mais sobre a ideologia que impera na ONU e sobre Lula e o PT do que sobre o Hamas.

A nota nem sequer chama o ataque de terrorista. Para o governo brasileiro, foram “bombardeios e ataques terrestres”. Somente depois do estupor geral, Lula começou a falar em “gesto terrorista” e “ato terrorista” do Hamas — como se fosse possível dissociar um “gesto” ou um “ato” da essência desse grupo abominável que prega o extermínio dos judeus no Oriente Médio.

Sob Lula, a linguagem política brasileira começou o seu processo de degradação. Nos vocábulos, na sintaxe, no simplismo na abordagem da realidade. Agora, temos a mentira descarada. Uma série delas.

Mário Sabino – Metrópoles

O post Lula recua e diz que não disse o que ele disse sobre Israel apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Lula recua e diz que não disse o que ele disse sobre Israel
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Avança no Congresso projeto que tira sigilo dos dados de pedófilos

Marcello Casal/Agência Brasil) Projeto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *