Página Inicial / Últimas / Preso por assédio no Egito, bolsonarista atuava ilegalmente como médico em Portugal

Preso por assédio no Egito, bolsonarista atuava ilegalmente como médico em Portugal

O médico bolsonarista Victor Sorrentino, preso no Egito por assediar uma mulher muçulmana, utilizava as redes sociais para oferecer consultas em Portugal sem que o diploma de medicina fosse validado no país. De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, ele cobrava até 350 euros por consulta.  O nome de Victor Sorrentino, porém, não consta … Ler mais

___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Preso por assédio no Egito, bolsonarista atuava ilegalmente como médico em Portugal
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

MPE alerta Arthur Lira sobre inconstitucionalidade na reforma eleitoral

Vice-procurador eleitoral, Paulo Gustavo Gonet Branco afirmou que texto poderá ser questionado na Justiça caso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *