Página Inicial / Últimas / BOMBA: China é acusada de usar dados genéticos de grávidas para fins militares sem consentimento

BOMBA: China é acusada de usar dados genéticos de grávidas para fins militares sem consentimento

Um teste pré-natal feito por milhões de mulheres grávidas em todo o mundo foi desenvolvido pela empresa chinesa de genes BGI Group em colaboração com os militares chineses e está sendo usado pela empresa para coletar dados genéticos, revelou uma análise da Reuters de documentos publicamente disponíveis .

O relatório é o primeiro a revelar que a empresa colaborou com o Exército de Libertação do Povo (PLA) para desenvolver e aprimorar o teste, realizado no início da gravidez, bem como o escopo de armazenamento e análise dos dados pelo BGI. Os Estados Unidos vêem os esforços da BGI para coletar e analisar dados de genes humanos como uma ameaça à segurança nacional (veja a história em detalhes aqui ).

A maior empresa de genômica da China, BGI, começou a comercializar o teste no exterior em 2013. Com a marca NIFTY, está entre os testes pré-natais não invasivos mais vendidos do mundo (NIPT). Eles examinam uma amostra de sangue de uma mulher grávida para detectar anormalidades como a síndrome de Down em um feto em desenvolvimento.

Até agora, mais de 8 milhões de mulheres em todo o mundo fizeram os testes pré-natais da BGI, disse a BGI. O NIFTY é vendido em pelo menos 52 países, incluindo Grã-Bretanha, Europa, Canadá, Austrália, Tailândia e Índia, mas não nos Estados Unidos.

A BGI usa amostras de sangue remanescentes enviadas a seu laboratório em Hong Kong e dados genéticos dos testes para pesquisas populacionais, confirmou a empresa à Reuters. A Reuters descobriu que os dados genéticos de mais de 500 mulheres que fizeram o teste, incluindo mulheres na Europa e na Ásia, também estão armazenados no China National GeneBank em Shenzhen, administrado pelo BGI.

A Reuters não encontrou evidências de que a BGI violou acordos ou regulamentos de privacidade; a empresa disse que obtém consentimento assinado e destrói amostras e dados do exterior após cinco anos. “Em nenhum estágio do processo de teste ou pesquisa a BGI tem acesso a quaisquer dados pessoais identificáveis”, disse a empresa.

No entanto, a política de privacidade do teste diz que os dados coletados podem ser compartilhados quando são “diretamente relevantes para a segurança nacional ou segurança de defesa nacional” na China. A BGI disse que “nunca foi solicitada – nem fornecida – dados de seus testes NIFTY às autoridades chinesas para fins de segurança nacional ou defesa nacional”.

O Centro Nacional de Contra-espionagem e Segurança dos EUA, que já havia alertado sobre as empresas chinesas que coletam dados de saúde, disse em resposta às conclusões da Reuters que as mulheres que fazem o teste NIFTY no exterior devem se preocupar com uma política de privacidade que permite que os dados sejam compartilhados com as agências de segurança chinesas.

“Os kits de teste pré-natal não invasivos comercializados por empresas de biotecnologia chinesas têm uma função médica importante, mas também podem fornecer outro mecanismo para a República Popular da China e as empresas de biotecnologia chinesas coletarem dados genéticos e genômicos de todo o mundo”, disse o centro .

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que as descobertas da Reuters refletem “acusações e difamações infundadas” de agências americanas.

Outras empresas que vendem esses testes pré-natais também reutilizam dados para pesquisas. Mas nenhum opera na escala da BGI, dizem cientistas e especialistas em ética, ou tem ligações da BGI com um governo ou seu histórico com forças armadas nacionais.

A BGI começou a trabalhar com hospitais militares chineses para estudar os genomas de fetos em 2010 e publicou mais de uma dúzia de estudos conjuntos com pesquisadores de PLA para testar e melhorar seus testes pré-natais, mostrou a revisão da Reuters de mais de 100 documentos públicos.

O Hospital Geral PLA em Pequim e a Terceira Universidade Médica Militar em Chongqing realizaram testes clínicos no teste NIFTY em 2011. Eles trabalharam com pesquisadores do BGI para expandir as anormalidades genéticas para as quais as telas de teste, artigos publicados em 2019 e 2020 mostram.

Página do site oficial do teste de pré-natal Nifty.

Em um exemplo, o PLA General Hospital trabalhou com a BGI no primeiro teste pré-natal chinês para rastrear nanismo, que a BGI posteriormente trouxe ao mercado.

Além disso, um estudo BGI publicado em 2018 usou um supercomputador militar para reanalisar dados do NIFTY e mapear a prevalência de vírus em mulheres chinesas, procurar indicadores de doença mental nelas e destacar as minorias tibetana e uigur para encontrar ligações entre seus genes e suas características.

Além das informações genéticas sobre o feto e a mãe, o processo de teste captura informações pessoais, como país do cliente, peso, altura e histórico médico, de acordo com o código de computador do BGI revisado pela Reuters. O nome do cliente não é coletado.

A Reuters conversou com uma mulher que fez o teste em 2020, uma administradora de escritório de 32 anos na Polônia. Ela disse que se soubesse que seus dados poderiam ser compartilhados com o governo chinês, ou entendesse a extensão da pesquisa secundária do BGI, ela teria escolhido um teste diferente.

“Quero saber o que está acontecendo com dados tão sensíveis sobre mim, como meu genoma e o do meu filho”, disse a mulher, Emilia, que pediu para ser identificada apenas pelo primeiro nome.

Fonte: Reuters

The post BOMBA: China é acusada de usar dados genéticos de grávidas para fins militares sem consentimento appeared first on Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:BOMBA: China é acusada de usar dados genéticos de grávidas para fins militares sem consentimento
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Invertida: em LIVE de esquerda promovida pelo site UOL a entrevistada estragou a lacração: “Eu quero que o presidente seja bom pro país, não apenas pra o grupo gay”, VEJA VÍDEO

É muito bom assistir uma live de esquerda onde o entrevistado estraga tudo pic.twitter.com/MizGNuVjiV — …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *