Página Inicial / Últimas / Julgamento de 33 manifestantes em Cuba provoca choro e tensão

Julgamento de 33 manifestantes em Cuba provoca choro e tensão

Familiares e amigos aguardaram do lado de fora do tribunal e chegaram a ser detidos por gritar  ‘justiça’ e ‘liberdade’

A tensão era palpável em frente ao tribunal de Havana, onde 33 manifestantes das inéditas manifestações de 11 de julho foram julgados esta semana por sedição. Assustados, familiares aguardavam notícias em um parque vizinho, apesar da detenção de vários deles nesta segunda por gritar palavras de ordem como “justiça” e “liberdade”.

“Na segunda-feira houve um problema aqui, fui detido, tenho medo de que voltem a me deter”, disse com os olhos úmidos Belkis Ortiz, avó de Duannis Dabel León Taboada, jovem de 22 anos que participou das manifestações históricas de julho e para quem a promotoria pediu 21 anos de prisão.

Um total de 33 manifestantes foram julgados entre segunda (31) e quinta-feira (3) pelo crime de sedição no tribunal do município 10 de Octubre, em Havana. A promotoria pede sentenças de até 25 anos de prisão.

Sentada ao pé de uma árvore, Belkis Ortiz esperava na quarta-feira no mesmo parque onde foi detida na segunda, quando estava com cerca de 30 pessoas que formavam uma roda para pedir “liberdade” a seus familiares.

Familiares aguardam julgamento de presos durante protesto do lado de fora do tribunal
Familiares aguardam julgamento de presos durante protesto do lado de fora do tribunal LETICIA PINEDA / AFP

A organização opositora Justiça 11J, que registra estes casos, postou um vídeo no qual estas pessoas aplaudem, enquanto gritam palavras de ordem. Ao menos 14 foram detidas “com violência”, entre elas ativistas como Carolina Barrero, informou a entidade.

Como ocorreu com outros jovens dissidentes, na quinta-feira Barrero foi forçada a deixar o país com destino a Madri.

“A segurança do Estado me deu 48 horas para sair”, relatou no Facebook, explicando que se não fosse embora, as mães detidas e ativistas  “seriam instruídos pelo crime de desordem pública”.

“Extrema violência”

A audiência de segunda-feira foi realizada com forte mobilização policial, que chegou em patrulhas e ônibus. Agentes à paisana foram enviados às imediações do tribunal.

Este caso é conhecido como o julgamento de Toyo, nome de uma padaria localizada em uma esquina da cidade 10 de Octubre, onde em 11 de julho foi registrada uma briga entre partidários do governo e manifestantes, que deixou veículos danificados, pelo menos uma patrulha virada e pedras e garrafas espalhadas por todos os lados.

Lisnay María Mederos Torres, chefe da Direção de Processos Penais da Promotoria Geral da República, disse ao portal de notícias estatal Cubadebate que os acusados de sedição “agiram com extrema violência, organizaram as alterações da ordem pública, concordaram expressa ou tacitamente em desrespeitar as instituições oficiais, comprometidas em garantir a segurança e a tranquilidade civil”.

Além disso, “usaram linguagem grosseira e ofensiva para incitar à violência, atiraram objetos cortantes, contundentes ou incendiários contra bens públicos; danificaram e destruíram o que encontraram pela frente”, disse Mederos.

Ela acrescentou que nos processos houve “ampla participação” de advogados de defesa.

Em 25 de janeiro, o governo informou que 790 pessoas, inclusive 55 menores de 18 anos, foram indiciadas pelas manifestações de julho. Outras 172 já tinham sido condenadas, informou.

No julgamento só teve acesso um familiar por acusado e não foi permitida a entrada da imprensa.

Nos Estados Unidos, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, expressou na quinta-feira em um tuíte sua preocupação com os presos políticos, incluindo os artistas Luis Manuel Otero Alcántara e Maykel “Osorbo” (nome artístico).

“Instamos o governo de #Cuba a parar de prender seus cidadãos por exercer a liberdade de expressão”, disse Price.

“São muitos anos”

Para Leila Prieto de La Rosa, esposa de um manifestante de Toyo, julgado esta semana, seu marido não merece o que está acontecendo.

“Subiu em cima de uma patrulha e por isso pedem 25 anos de prisão”, disse a mulher de 20 anos, levantando a voz com raiva. “O julgamento é um teatro total e não estou de acordo, não espero nada bom”.

Assim como outros familiares autorizados a assistir ao julgamento, durante o recesso ela se reúne com amigos no parque localizado a um quarteirão do tribunal.

Entre terça e quarta-feira, a presença de policiais foi ficando menos visível, mas o parque estava lotado de partidários do governo, contaram familiares dos presos, queixando-se de não poderem se aproximar do tribunal.

“Nos mandam para cá, a um quarteirão e meio de distância”, disse Caridad García, outra avó de 62 anos. A promotoria pediu 17 anos de prisão para sua neta, de 24 anos.

O julgamento terminou na quinta-feira à espera das sentenças.

“Justiça é o único que pedimos, são muitos anos, estes moços são muito jovens”, disse sentada no gramado Yesenia Díaz, de 32 anos, irmã de Oscar Bravo, de 23, que trabalhava no aeroporto de Havana até sua detenção.

The post Julgamento de 33 manifestantes em Cuba provoca choro e tensão appeared first on Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Julgamento de 33 manifestantes em Cuba provoca choro e tensão
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Fachin: Acatar resultado da eleição é inegociável

Ele também propôs que os espíritos sejam desarmados para que haja paz no processo eleitoral. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *