Página Inicial / Últimas / Marcelinho Carioca: ‘Tomei a coronhada na cabeça, depois não vi mais nada’

Marcelinho Carioca: ‘Tomei a coronhada na cabeça, depois não vi mais nada’

Foto: Reprodução/YouTube

Ex-jogador disse ter sido coagido a falar em caso com funcionária da Secretaria de Esportes e Lazer

— Eu fui ao show do Thiaguinho no sábado e saí por volta de 0h40 da Neoquímica Arena. Voltando para casa, e eu moro no Arujá, eu fui passando e falando com as pessoas que iam no show de domingo, porque eu não ia poder ir, e disse “vou entregar os ingressos para vocês irem domingo” — narrou. — (Estava) Na rua de baixo da casa dela, e três ruas depois tem uma festa de comunidade, um baile funk. Eu estava falando com todo mundo e aí chegaram três indivíduos, que me abordaram. Aí eu tomei uma coronhada na cabeça, depois não vi mais nada. Quando entrei no carro, já coloraram o capuz e eu não vi mais nada. 

Marcelinho reforçou que não tinha um caso extraconjugal com Taís. Ele diz que ela era sua amiga desde que se conheceram na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de Itaquaquecetuba. O ex-jogador era secretário da pasta. 

— Ela é minha amiga há 3 anos. Conheço o ex-marido dela, o Márcio, os dois filhos dela. É íntegra, guerreira, e falaram uma porção de coisa. Eu não tenho nada com ela. É minha amiga, porque fui secretário de Esportes em Itaquá — disse o ex-jogador. — Se você tem uma arma apontada para sua cabeça e a pessoa te obriga a falar, o que você faz? 

O atleta aposentado contou ainda sobre os momentos vividos em poder dos sequestradores, numa casa na Rua Ferraz de Vasconcelos, em Guarulhos, na Grande São Paulo. 

— Eu ouvi tanta coisa… queriam dinheiro, levaram, mas eu não estava preocupado com dinheiro. Estava preocupado com a minha vida e a vida dela (da Taís). Você encapuzado não vê nada, só escuta. Pedia para ir ao banheiro, beber água. 

Questionado se acreditava que aquele era um sequestro relâmpago e que teria acontecido aleatoriamente com ele, o ex-jogador disse acreditar que sim. 

— O carro é filmado (tem vidro escurecido), então provavelmente não sabiam. Viram um carro daquele porte, perto da comunidade, já chegaram para abordar e depois viram (quem era) — disse. — Eles ouviram o helicóptero chegando, barulho forte, e escutei: “a casa caiu, a casa caiu, temos que libertar ele, pega o menor de idade para dirigir e joga ele em outro lugar”. 

Marcelinho Carioca é ídolo e o quinto maior artilheiro da história do Corinthians 

Rincón e Marcelinho Carioca conversam durante treino do Corinthians em 1998undefined — Foto: undefined

Ex-jogador de futebol desapareceu após evento na Zona Leste da Capital paulista

Segundo a polícia, cerca de R$ 40 mil foram extraídos por transferência por Pix. Marcelinho conta que eles pediram a senha do seu celular e faziam ameaças com o revólver. 

— Pediram a senha do telefone e mostravam “que revólver é esse?” e ficavam girando. Você pensa nos seus filhos, na sua família, na vida, não na grana. A vida é relacionamento, e agora só quero estar com meus filhos. Tinha acabado de sair de um show maravilhoso. Era a minha vida e a da minha amiga em risco ali. 

R$ 40 mil roubados via Pix

O delegado-geral da Polícia Civil, Artur Dian, informou que foram conduzidas seis pessoas. A princípio, cinco serão autuadas em flagrante e uma será ouvida como testemunha. Segundo ele, alguns têm passagem pela polícia. Eles devem responder pelo crime de extorsão mediante sequestro. 

— Até checarmos tudo, os dois (Marcelinho e Taís) são as vítimas — disse Dian. — O menor de idade foi conduzido para a gente saber qual a participação dele. 

Ele disse ainda que não é incomum que, nesses casos, sequestradores obriguem as vítimas a falarem o que eles mandam mediante coação. 

— Isso não é incomum, de os sequestradores sob ameaças fazerem as vítimas falarem o que eles querem. Isso acontece. E o próprio Marcelinho relata isso, também corroborando a versão da Taís. 

Sobre o Pix, Dian informou que foram transferidos cerca de R$ 40 mil da conta de Marcelinho: 

— O menor de idade foi conduzido para a gente saber qual a participação dele. 

O delegado-geral disse ainda que havia entre seis e oito pessoas no cativeiro, além daquelas que já foram presas e as investigações continuam para chegar a essas pessoas. Ele acredita que, a princípio, o homem que teria dado a coronhada em Marcelinho não está entre os detidos. 

O capitão da PM Nilander de Siqueira, do 35º Batalhão de Polícia Militar (BPM), de Itaquaquecetuba, explicou que a polícia recebeu uma denúncia anônima sobre o local onde Marcelinho estava. 

— A Polícia Militar já estava no patrulhamento, o Copom (Centro de Controle de Operações da Polícia Militar) recebeu uma denúncia anônima de que havia um casal que estava em cativeiro, na rua Ferraz de Vasconcelos, em Itaquaquecetuba. A partir dessa denúncia, os policiais fizeram a procura desse casal, porém nada encontraram. Nessa casa, havia um corredor. Então os policiais visualizaram duas mulheres, viram uma moto que estava parcialmente desmontada, o que indicou aos policiais que poderia haver algo de ilícito ali. Os policiais continuaram no corredor e quando subiram a escada, encontraram o Marcelinho — detalhou.

O post Marcelinho Carioca: ‘Tomei a coronhada na cabeça, depois não vi mais nada’ apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Marcelinho Carioca: ‘Tomei a coronhada na cabeça, depois não vi mais nada’
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Pesquisa mostra força da chapa Tarcísio e Michelle; VEJA NÚMEROS

Na pesquisa realizada pela Genial/Quaest, um achado significativo é o potencial de votos de Tarcísio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *