Página Inicial / Últimas / Picanha fica mais barata em 2023, mas cerveja e gasolina encarecem

Picanha fica mais barata em 2023, mas cerveja e gasolina encarecem

Pixabay

Especialistas avaliam que o governo não influenciou na inflação dos itens, que Lula prometeu baratear durante a campanha eleitoral

Na campanha eleitoral de 2022, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que a picanha, a cerveja e a gasolina ficariam mais baratas. O resultado, no entanto, não foi completamente como o desejado no primeiro ano de seu terceiro mandato. Enquanto a proteína baixou de preço, a cerveja e o combustível encareceram.

Entre janeiro e novembro deste ano, a picanha viu seu preço cair em 13,06%. Por sua vez, a cerveja ficou 5,15% mais cara e a gasolina teve alta de 12,47%. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De acordo com especialistas ouvidos pelo R7, somente o derivado de petróleo teve interferência do governo Lula.

Para ilustrar: se essa carne no açougue custava R$ 100 em dezembro do ano passado, em novembro ela estava sendo vendida por R$ 86,94. Já a gasolina, que tinha preço médio de R$ 5,05 por litro na bomba, passou para R$ 5,63, segundo dados do levantamento da média mensal da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Alê Delara, diretor da Pine Agronegócios, explica que o barateamento da picanha em 2023 aconteceu devido ao aumento do abate de fêmeas. Com maior oferta, menores preços.

Segundo Fernando Iglesias, analista sênior da consultoria Safras & Mercado, esse crescimento no abate é resultado de investimentos feitos ainda em 2019, ou seja, quatro anos antes da volta de Lula ao poder.

“A bovinocultura de corte tem uma característica: esses investimentos demoram a maturar, demora para o investimento realizado lá atrás surtir efeito”, explica ele.

Delara argumenta ainda que o custo do boi caiu em proporção maior que a queda do preço da picanha. Ou seja, essa diferença ficou no bolso dos frigoríficos.

“A queda da carne foi muito menor do que a queda da arroba do boi. Assim, os frigoríficos conseguiram recuperar parte da margem ruim dos dois últimos anos, quando o ciclo era de alta da arroba”, argumenta.

Para ele, “a queda da carne neste ano tem muito mais relação com o ciclo da pecuária do que com programas de governo”.

“Tanto que, neste fim de ano, a arroba do boi já voltou a subir, assim como os preços da carne no atacado e varejo e, dessa forma, esperam-se altas para o próximo ano”, completa.

Cerveja

Em relação à cerveja, Alê atribui o encarecimento à expansão dos valores da cevada cervejeira e do trigo ao longo deste ano.

“Foi um ciclo ruim na produção agrícola, com preços da cevada cervejeira e trigo em alta durante boa parte do ano, assim como o dólar. Já que estes são produtos que importamos, isso fez com que os preços subissem”, afirma.

Segundo a CervBrasil (Associação Brasileira da Indústria da Cerveja), a bebida alcoólica ficou mais cara por conta do “aumento dos custos acumulados nos últimos anos”. Seriam eles: energia, distribuição e matérias-primas.

Para Paulo Petroni, diretor-geral do grupo, a alta nos preços ocorreu por conta de uma pressão que veio ainda na pandemia. Com a demanda reprimida, devido às pessoas não poderem sair de casa, essa forte procura estaria vindo à tona agora, segundo ele.

Volta dos impostos federais

Por sua vez, a alta na gasolina está principalmente relacionada à volta dos impostos federais cobrados sobre todos os combustíveis. Ou seja, esse foi o único encarecimento que teve ação direta do governo Lula.

Francisco Raeder, doutorando em economia na UFF, também menciona o aumento dos encargos estaduais como um fator que contribuiu para a alta do derivado do petróleo.

“No caso do ICMS, que é estadual, a modificação foi a troca de um imposto ad valorem (calculado em termos percentuais) para um valor ad rem, que é fixo em R$/litro. Nessa mudança tributária do ICMS, teve um aumento de aproximadamente uns R$ 0,13 por litro.”

Segundo o último levantamento da Petrobras, da primeira semana de dezembro, com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e da USP (Universidade de São Paulo), os tributos nacionais eram responsáveis por 12,3% do preço total do óleo nas bombas. Isso equivale a R$ 0,69 por litro.

Em 2022, às vésperas da eleição presidencial, o governo de Jair Bolsonaro implementou medidas de redução de dois tributos federais que reduziram os valores. Com essa diminuição, a gasolina encerrou o ano passado com queda de 25% no preço.

No começo deste ano, a gestão Lula conseguiu manter a ausência de cobrança tributária por 60 dias. Porém, os impostos voltaram gradualmente ao longo deste ano, em meio à tentativa do governo federal de aumentar a arredação e melhorar as contas públicas.

O retorno total desses encargos está previsto para acontecer em 1º de janeiro de 2024.

Mudança na política da Petrobras

Nesse contexto, vale citar que a política de preços dos combustíveis da Petrobras passou por mudanças em maio.

O presidente da estatal indicado por Lula da Silva, Jean Paul Prates, anunciou o fim do PPI (Preço de Paridade de Importação). A ferramenta atrelava os valores nas bombas brasileiras aos números praticados no mercado estrangeiro.

Porém, a companhia não deu detalhes de como será a nova definição de preços. A empresa se limitou a dizer, no dia do anúncio, que “os reajustes continuarão sendo feitos sem periodicidade definida, evitando o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”.

O post Picanha fica mais barata em 2023, mas cerveja e gasolina encarecem apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Picanha fica mais barata em 2023, mas cerveja e gasolina encarecem
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Bolsonaro diz que o Brasil elegeu um presidente que é “amante de ditaduras”; VEJA VÍDEO

Jair Bolsonaro, em um evento no Rio, expressou sua opinião sobre o atual presidente. Segundo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *