Página Inicial / Últimas / Após medidas tomadas por Lula na intenção de desarmar população, importação de armas de fogo cai pela metade em 2023

Após medidas tomadas por Lula na intenção de desarmar população, importação de armas de fogo cai pela metade em 2023

foto: Reprodução

Dados do Ministério do Desenvolvimento mostram que, após recorde em 2022, compra de revólveres e pistolas de outros países cai à metade

A importação de armas despencou em 2023. Dados do Ministério do Desenvolvimento mostram que o Brasil comprou US$ 40,7 milhões em revólveres e pistolas no ano passado. O valor é 52,9% menor que o visto no ano anterior.

A redução das importações acontece após o governo adotar medidas para tentar reduzir o armamento na população. Em 2023, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou um decreto que restringiu o acesso a alguns tipos de armamento pelas pessoas físicas. Além disso, o governo aumentou as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) pagos por armas de fogo e munições.

Historicamente, o Brasil sempre foi um país que importou poucas armas de fogo. A série histórica do MDIC mostra que, na média, o país comprou oficialmente US$ 1,2 milhão em revólveres e pistolas a cada ano entre 1997 e 2017.

Os números começaram a mudar em 2018, quando o governo federal mudou regras e passou a facilitar a importação legalizada desses itens. Naquele ano, a legislação passou a autorizar que empresas estrangeiras disputem concorrência pública para a compra de armamento para as forças de segurança no país.

Desde então, o volume de armas cresceu rapidamente: aumento de 433% em 2018, quando o Brasil comprou US$ 11,9 milhões em revólveres e pistolas. Recorde histórico. No ano seguinte, o aumento foi de 79% e as importações ultrapassaram US$ 20 milhões – novo recorde.

A velocidade de aumento das importações continuou em dois dígitos e novos recordes foram registrados em 2020, 2021 e 2022. No último ano do governo Jair Bolsonaro, o volume de importações saltou 122% e atingiu o máximo histórico de US$ 86,5 milhões.

Na semana passada, a Polícia Federal divulgou relatório que mostrou que o registro de armas de fogo por pessoas físicas caiu 82% em 2023 na comparação com o ano anterior. Os dados são do Sistema Nacional de Armas (Sinarm), que registrou 20.822 novas armas de fogo para defesa pessoal, menor número desde 2004.

Áustria, Itália e EUA

Quase metade de todas as armas e revólveres comprados pelo Brasil no ano passado vieram da Áustria: US$ 19,3 milhões ou 47,4% de todas as importações. O país é sede da Glock, conhecida pelas pistolas semiautomáticas que custam a partir de R$ 10 mil no mercado brasileiro.

Em segundo, aparece a Itália, origem de 12,8% das importações. O país é sede da Beretta, tradicional fabricante europeu de armas de fogo. O ranking dos maiores fornecedores tem, ainda, os Estados Unidos, origem de 10% dos revólveres e pistolas comprados oficialmente pelos brasileiros em 2023.

O post Após medidas tomadas por Lula na intenção de desarmar população, importação de armas de fogo cai pela metade em 2023 apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Após medidas tomadas por Lula na intenção de desarmar população, importação de armas de fogo cai pela metade em 2023
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Bolsonaro diz que o Brasil elegeu um presidente que é “amante de ditaduras”; VEJA VÍDEO

Jair Bolsonaro, em um evento no Rio, expressou sua opinião sobre o atual presidente. Segundo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *