Página Inicial / Últimas / Último minuto: Procurador que acusa Donald Trump na Geórgia tem caso amoroso com advogada de acusação

Último minuto: Procurador que acusa Donald Trump na Geórgia tem caso amoroso com advogada de acusação

O processo criminal contra o ex-presidente dos EUA Donald Trump na justiça estadual da Geórgia ganhou as manchetes americanas, nesta semana, mas não por desdobramentos contra o líder republicano. Documentos anexados por um co-réu na ação contra Trump e uma movimentação processual em uma ação de divórcio que corre na Justiça estadual indicam que a procuradora distrital do condado de Fulton, Fani Willis, e o promotor especial designado por ela para o caso contra o ex-presidente, Nathan Wade, podem ter mantido um affair ao longo dos últimos anos — o que levantou questões éticas sobre a nomeação de Wade, em um acontecimento cuja repercussão para o processo ainda é incerta.

As alegações sobre o suposto envolvimento romântico entre a procuradora e o promotor especial apareceram publicamente pela primeira vez em uma moção judicial apresentada neste mês por Michael Roman, um dos 14 co-réus do caso contra Trump na Geórgia, no qual o ex-presidente é acusado de tentar anular o resultado eleitoral de 2020, e de ter agido em complô com uma série de agentes para tentar alcançar o objetivo. Naquele mesmo dia, de acordo com documentos judiciais, Willis recebeu uma intimação da esposa de Wade para testemunhar no caso de divórcio do casal.

Quando Willis concorreu à promotoria distrital no condado de Fulton, na Geórgia, em 2020, com o slogan “Integridade é importante!”, ela frequentemente atacou o então titular do cargo, seu antigo chefe, com acusações de lapsos éticos. Logo após sua vitória, ela criou um grupo para entrevistar candidatos a empregos chamado Comitê de Contratação de Transição de Integridade. Um de seus membros era Nathan Wade, advogado e juiz municipal dos subúrbios de Atlanta, a quem ela contava como amigo e mentor de longa data.

O vínculo pessoal que partilhavam foi descrito por Willis como a chave para a sua decisão de contratá-lo para liderar o processo criminal de uma vida: a acusação do seu gabinete ao ex-presidente Donald Trump pelos seus esforços para anular a derrota nas eleições de 2020.

— Preciso de alguém em quem possa confiar — disse ela em uma entrevista em 2022.

No entanto, as novas evidências sugerem que a relação entre ambos excederia vínculos profissionais e de ordem jurídica, levantando questões éticas sobre a escolha do promotor especial. Em uma entrevista ao The New York Times, uma pessoa familiarizada com a situação disse que Willis e Wade se tornaram próximos depois de se conhecerem num curso de formação jurídica para juízes em 2019 – cerca de dois anos antes da nomeação do promotor especial. Os dois juristas às vezes eram afetuosos um com o outro em locais públicos, disse a pessoa.

Na sexta-feira, extratos de cartão de crédito incluídos ao arquivo do processo de divórcio de Wade mostram que ele comprou passagens aéreas para si e para Willis em 25 de abril de 2023, para uma viagem de Atlanta a São Francisco, e em 4 de outubro de 2022, para uma viagem a Miami. Eles parecem apoiar parcialmente a alegação na moção de Roman, de que Wade e Willis fizeram viagens para vários locais de férias juntos, com Wade pagando algumas das viagens.

Se estas novas revelações irão perturbar o caso Trump – ou o papel de Willis e Wade nele – ainda não está claro. A moção de Roman argumenta que Willis e Wade violaram as regras de conduta profissional da ordem dos advogados da Geórgia, o código do condado relativo a conflitos de interesse e, possivelmente, a lei federal. Pede que o caso contra Roman seja arquivado e que Wade, Willis e todo o escritório de Willis sejam desqualificados do caso.

Em uma carta a Willis, na sexta-feira, o comissário do condado que preside o comitê de auditoria do conselho, Bob Ellis, exigiu dela documentos em um esforço para determinar se os fundos do condado pagos a Wade “foram convertidos em seu ganho pessoal na forma de viagens subsidiadas ou outros presentes.”

Na manhã de sábado, Norman Eisen, conselheiro especial do Comitê Judiciário da Câmara durante o primeiro impeachment de Trump, que tem defendido veementemente a acusação da Geórgia, pediu a Wade que renunciasse, dizendo que a recente alegação de um caso “se tornou uma distração”, embora não fosse legalmente exigido.

No mínimo, as revelações levantaram questões sobre a motivação de Willis para contratar Wade, um generalista que parece atuar como uma espécie de gestor-jurista da equipe de acusação composta por vários advogados.

Credenciais questionadas

Uma revisão das mais de duas décadas de Wade como advogado feita pelo Times também levanta a questão de suas qualificações, e se elas eram suficientes para justificar sua nomeação para um cargo que lhe rendeu mais de US$ 650 mil (R$ 3,2 milhões) em dinheiro do contribuinte e o catapultou ao topo de um dos casos criminais de maior repercussão no país.

Como figura constante no cenário jurídico e político do condado suburbano de Cobb, Wade passou anos lidando com casos criminais de baixo perfil, primeiro como promotor e depois como juiz. E embora tenha defendido clientes em vários casos de crimes graves, o seu sonho de ser eleito juiz do Tribunal Superior estadual foi repetidamente negado pelos eleitores — concorreu quatro vezes a juiz do Tribunal Superior entre 2008 e 2016. Ele perdeu todas as vezes.

O histórico público de Wade como advogado mostra poucas evidências de que ele atuou em casos criminais importantes, sem nenhuma evidência de que ele tenha lidado com um grande caso de corrupção política ou envolvendo o complicado estatuto de extorsão do Estado, conhecido como RICO, sob o qual todos os réus do Trump caso foram acusados.

— O escopo de advogados que lidam com os casos [envolvendo a legislação] RICO da Geórgia é pequeno, e ele não é alguém que estava nesse escopo antes do caso Trump — disse Chris Timmons, advogado de Atlanta.

Wade não foi encontrado para comentar o caso. Mas os seus defensores apontam para os sucessos mensuráveis que a equipe de acusação obteve até agora sob a sua liderança. Os promotores obtiveram quatro confissões de culpa do grupo original de 19 co-réus e repeliram, até agora, um esforço para que o caso fosse transferido para o sistema de tribunais federais, o que ofereceria algumas vantagens aos réus.

Falando recentemente em uma igreja historicamente negra em Atlanta, Willis disse que as questões levantadas sobre a contratação de Wade eram racistas. Ela elogiou as “credenciais impecáveis” de Wade e disse que eles estavam sendo questionados porque ela e Wade eram negros. Ela também disse, recentemente, que ele não foi sua “primeira opção” para dirigir à acusação, mas que outros nomes com credenciais mais robustas negaram o caso.

Fonte: O Globo, com informações do NYT.

O post Último minuto: Procurador que acusa Donald Trump na Geórgia tem caso amoroso com advogada de acusação apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Último minuto: Procurador que acusa Donald Trump na Geórgia tem caso amoroso com advogada de acusação
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Comentarista da GloboNews diz que Lula tem elogiado atuação de Pacheco e que quer fazer ele governador de Minas; VEJA VÍDEO

Em uma reunião de emergência com a equipe política do governo na última sexta-feira (19), …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *