Página Inicial / Últimas / Confusão: sob Lula, PF acumula conflitos com PRF, GSI, Exército, Abin e Promotoria do Rio

Confusão: sob Lula, PF acumula conflitos com PRF, GSI, Exército, Abin e Promotoria do Rio

Durante os primeiros 15 meses do terceiro mandato de Lula (PT), a Polícia Federal teve vários desentendimentos com outras instituições, incluindo o Exército, a Polícia Rodoviária Federal, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) e a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), além do Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro. As informações são da Folha de SP.

A realização de investigações envolvendo membros de outras instituições, a tentativa de expandir seus poderes e a disputa por influência próxima ao presidente são algumas das razões que colocaram a PF em conflito com outras entidades com as quais frequentemente precisa colaborar.

Por exemplo, com o GSI e os militares, os conflitos surgiram devido à disputa sobre quem seria responsável pela segurança pessoal de Lula e da primeira-dama, Rosângela Lula da Silva, a Janja.

No início de seu mandato, Lula assinou um decreto de seis meses de duração para estabelecer a Secretaria Extraordinária de Segurança Imediata do Presidente da República, que delegou à PF a responsabilidade por grande parte da proteção presidencial.

Embora estivesse previsto desde o início que essa configuração duraria apenas o primeiro semestre, a liderança da polícia tentou prorrogar a medida.

A PF é liderada pelo delegado Andrei Rodrigues, que foi responsável pela segurança de Lula nas eleições de 2022, ocupou posições de alto escalão no governo de Dilma Rousseff (PT) e é uma pessoa de confiança do presidente.

No entanto, sua influência não foi suficiente e a coordenação da segurança de Lula retornou ao GSI, liderado pelo general Marcos Antonio Amaro.

Em relação à Abin, a disputa com a PF já resultou até na demissão do segundo em comando da agência, o ex-diretor-adjunto Alessandro Moretti, em janeiro. Ele foi mencionado em um relatório da polícia sobre o suposto uso da agência durante o governo de Jair Bolsonaro (PL) para espionar opositores políticos.

No relatório, é relatado que, em uma reunião com representantes dos servidores da Abin, em março do ano anterior, Moretti teria afirmado que a investigação sobre a agência tinha “fundo político” e iria passar.

Para a polícia, houve “conluio de parte dos investigados” com parte da alta gestão da Abin, que teria causado prejuízos à investigação e também à própria agência.

A PF sob Andrei Rodrigues assiste ainda ao acirramento na relação com PRF. O clima entre as duas corporações que estão no guarda-chuva do Ministério da Justiça azedou em fevereiro após a PF indiciar 23 policiais rodoviários por uma operação conjunta em Varginha (MG) que resultou na morte de 26 suspeitos.

No relatório, o delegado do caso afirmou que o órgão não tem poder para tocar apurações e fez críticas à atuação dos integrantes da PRF nesse episódio.

“Para a equipe de investigação [ficou] a certeza de que houve uma investigação ilegal perpetrada por órgão sem atribuição constitucional para tal encargo, alapardada dos órgãos de controle e sem registros oficiais”, diz o texto.

A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais se manifestou, acusando a PF de negligenciar a população e declarando que irá arcar com os custos dos acusados para contestar laudos que os incriminam por mortes.

O conflito tem como base uma portaria assinada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro, em 2019, que oficializa a expansão dos poderes da PRF. Nos bastidores, a liderança da Polícia Federal defende a revogação da norma para que as atividades da corporação sejam restritas ao patrulhamento de rodovias.

Com o Exército, a situação é mais complexa. As investigações que buscam determinar se Bolsonaro planejou um golpe de Estado visam vários aliados do ex-presidente que são membros das Forças Armadas, incluindo militares de alta patente.

A relação da PF com as agências de investigação do Rio de Janeiro também está tensa. O relatório da Polícia Federal identificou o que o ministro Flávio Dino, do STF (Supremo Tribunal Federal), descreveu como um “ecossistema criminoso”. De acordo com as investigações, o foco seria a transformação da Divisão de Homicídios da Polícia Civil em um centro de negócios.

A separação entre a PF e a Polícia Civil do Rio de Janeiro é histórica no estado. Um momento significativo dessa ruptura foi o indiciamento pela PF, em 2011, do então chefe de Polícia Civil Allan Turnowski. Ele foi removido do cargo sob a suspeita de vazamento de informações sobre uma operação da PF. Posteriormente, o Ministério Público arquivou a investigação contra ele, resultando em um distanciamento entre as duas corporações.

A isso se soma a disputa pela liderança no combate a organizações criminosas. Como parte da luta por espaço, delegados da Polícia Civil reclamavam do excesso de federais na estrutura da Secretaria de Segurança durante a gestão de José Mariano Beltrame (2007-2016). O atual chefe do departamento, Victor Cesar Carvalho dos Santos, também é delegado federal.

Nessa disputa, a PF acabou fortalecendo laços com o Ministério Público do Rio de Janeiro. As duas instituições conduziram investigações conjuntas, principalmente voltadas para o combate às milícias. Além da investigação da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), PF e MP-RJ trabalharam juntos em inquéritos contra Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, identificado como líder da maior milícia do estado.

No entanto, essa relação institucional foi testada após a divulgação, na semana passada, do relatório da PF sobre a morte da vereadora. A principal reclamação dos membros da instituição é que a resistência à federalização da investigação, logo após o crime, agora é vista como uma forma de dificultar a investigação.

Na quinta-feira (28), o MP-RJ divulgou uma nota afirmando que “não medirá esforços para enfrentar as vis tentativas de desqualificar o trabalho executado”.

O texto não critica diretamente a PF e afirma que o posicionamento busca “refutar as alegações que têm sido ventiladas a partir do relatório” da corporação. No entanto, a nota reflete o desconforto de vários promotores envolvidos no caso.

Com informações da Folha de SP/ITALO NOGUEIRA

O post Confusão: sob Lula, PF acumula conflitos com PRF, GSI, Exército, Abin e Promotoria do Rio apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Confusão: sob Lula, PF acumula conflitos com PRF, GSI, Exército, Abin e Promotoria do Rio
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Malafaia pede renúncia de comandantes das Forças Armadas; VEJA VÍDEO

foto: Reprodução YouTube O pastor Silas Malafaia, responsável pelo ato em apoio ao ex-presidente Jair …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *