Web Statistics
Estudo estrangeiro sobre infraestrutura de transporte no Brasil traz reflexões valiosas – Por Gustavo Leonardo Maia Pereira e Daniel Bogéa | Gazeta de Rondônia
Página Inicial / Últimas / Estudo estrangeiro sobre infraestrutura de transporte no Brasil traz reflexões valiosas – Por Gustavo Leonardo Maia Pereira e Daniel Bogéa

Estudo estrangeiro sobre infraestrutura de transporte no Brasil traz reflexões valiosas – Por Gustavo Leonardo Maia Pereira e Daniel Bogéa

A infraestrutura de transportes é apontada globalmente como uma das principais condicionantes do desenvolvimento. A histórica deficiência brasileira nesse setor reverbera em redução de competitividade global, algo que é atestado pelos mais diversos rankings internacionais[1]. Com isso em vista, os investimentos em transportes cresceram na ordem de três vezes e meia no curso da primeira década dos anos 2000, porém, após um período inicial de estagnação, experimentamos redução significativa a partir de 2015[2].

Apesar do diagnóstico uníssono quanto à necessidade de atração de mais investimentos para o aprimoramento de nossa cadeia logística, ainda padecemos de falta de atratividade, muitas vezes atribuída a níveis elevados de insegurança jurídica[3]. Cada vez mais, torna-se evidente a necessidade de reflexão profunda sobre nosso modelo, especialmente no que diz respeito à governança regulatória, abarcando os mais diferentes atores, como agências reguladoras, formuladores de política pública e órgãos de controle.

O Centre for Analysis of Risk and Regulation (Carr), da London School of Economics and Political Science (LSE), sob a coordenação do professor Martin Lodge[4] e com o apoio do RAND Corporation e do Ipea, produziu importante relatório de pesquisa sobre a regulação da infraestrutura de transportes no Brasil[5], que contém valiosas reflexões e propostas sobre a governança regulatória no país.

A importância fundamental do relatório reside tanto em sua profundidade quanto na procedência insuspeita. Cuida-se de um valioso olhar externo sobre o setor brasileiro de infraestrutura de transportes, realizado por centro acadêmico de excelência e renome internacional, mas que não se furtou de buscar informações robustas e específicas de nosso contexto nacional[6]. Realizada entre junho de 2016 e março de 2017, a pesquisa coincidiu com um dos períodos mais dramáticos de nossa história recente, o que só reforça sua importância. Logo no prefácio, os pesquisadores salientam a importância do aperfeiçoamento regulatório como mecanismo de retomada do crescimento no país:

“O Brasil está passando por um período extraordinariamente difícil. A regulação desempenha um papel fundamental no incentivo do desenvolvimento de infraestruturas logísticas. É um desafio de longo prazo que transpõe os mandatos de qualquer governo”.

O conteúdo é abrangente e consistente, sendo inviável resumi-lo neste espaço. Mas vale a pena destacar, da sumarização de desafios diagnosticados, (i) a importância de uma perspectiva estratégica, com planejamento e marcos regulatórios de longo prazo, e que leve em consideração análises intermodais; (ii) a necessidade de aprimoramento do ambiente de diálogo entre Casa Civil, ministérios, agências reguladoras e empresas; e (iii) a urgência em se combater a cultura do oportunismo, mostrando que os regimes regulatórios são credíveis e não estão propensos a renegociação com base em pressão política.

O relatório enfatiza que, em setores complexos, com relações de longo prazo, a incerteza é inerente. Apontou ser essencial, então, a existência de mecanismos consistentes de renegociação de contratos incompletos, bem como que o Estado detenha capacidade institucional para lidar com as necessidades que podem surgir ao longo do tempo, com as pressões de grupos de interesse, inovações tecnológicas e riscos inerentes a esse tipo de projeto. Evidencia, assim, a necessidade de se assegurar a adaptabilidade sem sacrificar a previsibilidade. Conforme diagnóstico da LSE, a pressão política acaba impondo elevada adaptabilidade e minando a previsibilidade.

A partir de uma análise atenta à inovação institucional representada pela criação do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), o estudo revela entusiasmo com a função de coordenação a que se propõe o novo órgão, a fim de tentar combater a dispersão de responsabilidades típica da estrutura administrativa brasileira. Isso tudo na crença de que saber “quem está no comando” é fundamental, para agentes públicos e privados.

Identifica-se, ainda, uma característica do debate sobre regulação no Brasil: o fato de ser orientado por uma ênfase na redução da discricionariedade, o que, segundo os pesquisadores, é um caminho infrutífero para se pensar a melhora da capacidade regulatória. Defendem a necessidade de se desenvolver uma discricionariedade disciplinada, mediante o aperfeiçoamento dos processos decisórios, produzindo, assim, decisões mais informadas; e a criação de instrumentos de engajamento que incentivem relacionamentos menos adversariais e que não gerem aversão ao risco. Tudo isso a fim de criar “espaços seguros” de decisão.

O estudo também é sensível ao proeminente papel desempenhado por órgãos de controle, em particular pelo TCU, a quem chama de “meta-regulador”. Revela imagem ambígua, que ora considera o TCU problemático, pois suas posições não refletem o ambiente de decisão regulatória setorial, ora vislumbra o tribunal como um espaço apto a “proteger” decisões técnicas contra pressões políticas. De todo modo, deixa bem claro o papel central que o tribunal tem desempenhado na regulação da infraestrutura de transportes.

Sob o ponto de vista estritamente técnico, o relatório da LSE merece toda a atenção de agentes públicos e privados que atuam no mercado de infraestrutura. O trabalho apresenta uma radiografia das características centrais do funcionamento do arranjo regulatório brasileiro, que pode servir de guia para empresas que atuam nesse mercado e potenciais investidores, além de apontar alguns dos principais gargalos e desafios da governança regulatória no país, apresentando propostas para superá-los, o que certamente tem valor inestimável para reguladores e dirigentes públicos.

Mais do que isso, o estudo constitui uma fonte externa de conhecimento sobre nossa infraestrutura de transportes, sem risco de eventual comprometimento com agentes públicos ou privados que atuam no setor. Com isso, o documento assume credibilidade inegável para servir de ponto basilar para uma reflexão profunda e séria sobre a melhora do ambiente institucional e de negócios do país, decisiva para o desenvolvimento nacional.

*Nesta quinta-feira (28/6), o Instituto Desburocratizar e o Grupo Público da FGV Direito SP receberão, em Brasília, o professor Martin Lodge para uma discussão com representantes da academia, da administração pública e da iniciativa privada sobre o relatório produzido pela LSE.

___________________________________
[1] Para matéria sobre impacto da péssima qualidade de nossa infraestrutura na posição do Brasil no ranking anual de competitividade do World Economic Forum, ver: http://blogdoibre.fgv.br/posts/infraestrutura-derruba-brasil-no-ranking-de-competitividade-o-que-fazer.
[2] CAMPOS NETO, Carlos Alvares da Silva. Reflexões sobre Investimentos em Infraestrutura de Transporte no Brasil. IPEA – Radar nº 47, novembro de 2016.
[3] BOGÉA, Daniel. Segurança jurídica e investimentos em infraestrutura. Revista Interesse Nacional, V. 9, pp. 36-43, 2016.
[4] Lodge é coautor de Understanding Regulation (Oxford University Press, 2012, 2. ed.), The Politics of Public Service Bargains (Oxford Univeristy Press, 2006), autor de On Different Tracks: Designing Railway Regulation in Britain and Germny (Praeger, 2002) e organizador de Oxford Handbook of Regulation (2010), Oxford Handbook of Classics in Public Policy and Administration (2015), Problem-Solving Capacity of the Modern State (2014) e Regulatory Innovation: A Comparative Analysis (2005), entre outros.
[5] O relatório está disponível on-line, tanto em inglês como em português, no seguinte endereço: http://www.lse.ac.uk/accounting/carr/research/regulation-of-logistics-infrastructures-in-brazil?from_serp=1
[6] O trabalho de pesquisa envolveu uma série de entrevistas, oficinas, videoconferências, webinars e veicula valiosas reflexões e contribuições sobre o aperfeiçoamento da capacidade regulatória das instituições brasileiras.

 

_______________________________
Gustavo Leonardo Maia Pereira é procurador federal, mestrando em Direito e Desenvolvimento pela FGV Direito SP, bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará e ex-procurador do Estado de Goiás.

Daniel Bogéa é advogado e cientista político, diretor-executivo do Instituto Desburocratizar, sócio do Piquet Carneiro, Magaldi & Guedes Advogados e mestre em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo (USP).

O post Estudo estrangeiro sobre infraestrutura de transporte no Brasil traz reflexões valiosas – Por Gustavo Leonardo Maia Pereira e Daniel Bogéa apareceu primeiro em Painel Político.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Estudo estrangeiro sobre infraestrutura de transporte no Brasil traz reflexões valiosas – Por Gustavo Leonardo Maia Pereira e Daniel Bogéa
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Homem bebe demais, luta com porco, tem pênis arrancado e morre

Não se sabe, entretanto, o que motivou a briga, além do álcool Um caso triste, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *