Web Statistics
Estudo aponta trecho “morto” do rio Paraopeba após desastre em Brumadinho | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Últimas / Estudo aponta trecho “morto” do rio Paraopeba após desastre em Brumadinho

Estudo aponta trecho “morto” do rio Paraopeba após desastre em Brumadinho

Indicadores de qualidade da água do rio Paraopeba, em Minas Gerais, revelaram que não há condições de vida aquática na região e que o rio é dado como “morto” desde o acidente com a barragem…

___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Estudo aponta trecho “morto” do rio Paraopeba após desastre em Brumadinho
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Laerte Gomes denuncia cartelização e combinação de preços pelos laticínios

Laerte Gomes criticou atuação das empresas do setor, prejudicando os produtores e a economia de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *