Página Inicial / Últimas / TCM abre investigação contra gestão Ricardo Nunes em SP

TCM abre investigação contra gestão Ricardo Nunes em SP

Nesta segunda-feira (4), o Tribunal de Contas do Município de São Paulo (TCM) iniciou uma investigação sobre a administração de Ricardo Nunes (MDB) na capital paulista para averiguar suspeitas de um possível conluio em contratos de 223 obras emergenciais na cidade.

A denúncia, divulgada pelo UOL, revela que mais de R$ 4,3 bilhões foram investidos nessas obras. Dos 307 contratos para obras emergenciais realizadas durante a gestão de Nunes, pelo menos 223 apresentam indícios de acordos de preços entre as empresas concorrentes que não passaram por licitação.

Essas obras incluem ações de contenção de encostas, intervenções em margens de rios, córregos e galerias pluviais, além de projetos de recuperação de passarelas, pontes ou viadutos.

Em nota, o TCM informou que a investigação está sendo feita sob relatoria do conselheiro Domingos Dissei e que “a Corte colhe os posicionamentos de suas respectivas áreas técnicas”.

Em nota, a prefeitura afirmou que “repudia as ilações apresentadas” na reportagem e disse que “tais alegações não têm relação com a atuação da gestão municipal e servem a objetivos eleitorais, induzindo o público a equívoco” (veja abaixo a íntegra).

Nunes é pré-candidato do MDB à reeleição.

O que diz a prefeitura?

“A Prefeitura de São Paulo repudia as ilações apresentadas pela reportagem do UOL sobre contratos para obras emergenciais realizados pela administração. Tais alegações não têm relação com a atuação da gestão municipal e servem a objetivos eleitorais, induzindo o público a equívoco.

As contratações emergenciais são regidas por procedimentos específicos determinados exclusivamente após demandas das áreas técnicas da Defesa Civil e das Subprefeituras, validadas pelos técnicos da SIURB e conferidas pela área jurídica, além de acompanhadas pelo Tribunal de Contas do Município. Os valores para todos os contratos respeitam tabela pública e são ordenados para execução das empresas após a concessão de desconto.

Como cuidado extra e zelo pelas boas práticas de contratação, a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras mantém contrato de consultoria e auditoria com a Fundação Getúlio Vargas que conferem lisura aos processos realizados pela gestão.

A Prefeitura de São Paulo está sempre à disposição de autoridades fiscalizadoras, para análise séria e responsável sobre todos os contratos citados na reportagem.”

Com informações de G1

O post TCM abre investigação contra gestão Ricardo Nunes em SP apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:TCM abre investigação contra gestão Ricardo Nunes em SP
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Avança no Congresso projeto que tira sigilo dos dados de pedófilos

Marcello Casal/Agência Brasil) Projeto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *