Página Inicial / Últimas / “Grande mídia é contra Brasil ser soberano”, diz Paulo Pimenta

“Grande mídia é contra Brasil ser soberano”, diz Paulo Pimenta

O ministro da Secretaria de Comunicação Social do Palácio do Planalto, o deputado federal licenciado Paulo Pimenta (PT-RS), fez neste domingo (21.jan.2024) uma dura crítica contra veículos jornalísticos. Para ele, há uma “sincronia e articulação” no que chama de “grande mídia corporativa” para impedir o Brasil de ser soberano “na área de petróleo e gás” e também com o objetivo de “blindar o fracasso das privatizações”.

Na chefia da Secom do Planalto, Pimenta comanda a distribuição de verbas de publicidade. No governo federal como um todo, o investimento em propaganda passa da casa dos bilhões de reais (quando incluídas as administrações direta e indireta, como a empresas estatais). O ministro é pré-candidato a governador do Rio Grande do Sul em 2026.

Num texto publicado em seu perfil no X (ex-Twitter), Pimenta usa um discurso muito popular entre petistas históricos, sugerindo haver uma espécie de conluio entre parte da mídia (a “grande mídia corporativa”, como ele diz) e setores da economia que estariam, juntos, contra o desenvolvimento soberano do Brasil.

“Dois fatos chamam atenção pela sincronia e articulação da grande mídia corporativa: 1) um discurso contra qualquer tentativa soberana do Brasil retomar o controle de sua política energética em especial na área de petróleo e gás. 2) um tentativa de blindar o fracasso das privatizações como medidas ‘modernas e eficientes’ para garantir gestão, investimentos e qualidade no atendimento dos usuários dos serviços das companhias de energia elétrica”, escreveu ele em seu post no X.

Nos últimos dias, voltou ao noticiário a série de escândalos da Lava Jato, operação que investigou no passado recente casos de corrupção de empresas estatais (como a Petrobras), empresas privadas e integrantes do governo (sobretudo durante administrações do PT). O assunto ganhou relevo por causa da retomada de obras na refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que foi alvo de desvio de recursos revelado pela Lava Jato.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi na 5ª feira (18.jan.2024) da semana passada a uma cerimônia promovida pela Petrobras para a retomada de investimentos na Rnest (Refinaria Abreu e Lima) em Ipojuca (PE). Disse que a estatal está recuperando sua “identidade como empresa de todos os brasileiros e brasileiras”. No seu discurso, o petista também aproveitou para fazer a exposição e uma narrativa do que teria sido a Lava Jato: “Tudo o que aconteceu nesse país foi uma mancomunação entre alguns juízes desse país e alguns procuradores desse país subordinados ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que nunca aceitaram o Brasil ter uma empresa como a Petrobras”.

Por causa dessa afirmação de Lula, os veículos de jornalismo passaram a voltar a relembrar o que foi a Lava Jato. No caso da afirmação sobre suposta “mancomunação” entre juízes e procuradores com o Departamento de Justiça dos EUA, foi republicado o documento do acordo entre a Petrobras e autoridades norte-americanas, firmado em 2018, no qual a estatal reconhece todos os malfeitos cometidos, assume culpa pelo que se passou. Para que as investigações fossem encerradas, a empresa brasileira aceitou pagar US$ 853,2 milhões (cerca de R$ 4,2 bilhões em valores de janeiro de 2024).

Este Poder360 tem o mais completo acervo de vídeos com as delações de empresários e políticos sobre atos de corrupção investigados pela Lava Jato. Por causa da declaração de Lula, o material foi republicado para que os leitores pudessem comparar o que disse o presidente com o que havia sido declarado pelos delatores e réus da Lava Jato –muitos dos quais confessaram crimes e aceitaram assinar acordos para devolver dinheiro.

Para o ministro Paulo Pimenta, entretanto, a reação da mídia jornalística ao relembrar o que foi a Lava Jato seria uma atitude ideológica, contra a soberania do país –para que o Brasil não seja autossuficiente em energia e assim esconder o que ele considera o “fracasso das privatizações”.

Segundo Pimenta, esses são “dois temas que revelam uma mesma lógica”. E continua [o Poder360 corrigiu alguns solecismos cometidos pelo ministro para facilitar a leitura do que ele queria dizer]: “[os veículos jornalísticos] são porta-vozes do grande capital financeiro e especulativo que lucra com governos e Estados fracos. São os que enriquecem ainda mais se apropriando do patrimônio do povo para prestação de serviços de baixa qualidade, caros e que lucram, inclusive, com importação de combustíveis. Os editoriais e os comentaristas de plantão representam a voz do capital que financia seus veículos de imprensa e exigem defesa diante do indefensável”.

Pensadores de esquerda saíram em apoio de Paulo Pimenta. O professor de sociologia e cientista político Emir Sader escreveu também em seu perfil no X: “Grande parte da mídia não tem espírito brasileiro, não se identifica com o país, não conhece o Brasil, sua história, seus interesses”. Paulo Pimenta repostou o texto de Sader.

Pimenta fez um 2º post no X, no qual demonstra conhecimento limitado sobre o que se passou com o setor de energia nos últimos 20 anos: “Os políticos e articulistas da mídia que endeusaram as privatizações agora reclamam que ‘está havendo instrumentalização’ política da incapacidade das empresas privadas de energia elétrica de atender os usuários que estão sem luz há 4 dias. É muito cinismo e hipocrisia. Ficaram anos atacando o serviço público a soldo de grande grupos privados e agora posam de vítimas da natureza. É muita cara de pau dessa gente!!”.

O ministro parece não conhecer ou evitar comentar o episódio da medida provisória 579, baixada em 11 de setembro de 2012 pela então presidente Dilma Rousseff. Essa MP deu origem à lei 12.783 de 2013.

Como já mostrou de maneira didática este Poder360 em 2021, a MP tinha como objetivo a redução média nas tarifas de energia em 20% a partir do corte do custo da geração das hidrelétricas. O texto estabelecia a renovação das concessões de geração de energia, uma única vez, pelo prazo de até 30 anos. Ocorre que a medida fez com que empresas comprassem energia com valor maior no mercado livre no ano seguinte e isso levou a um aumento de mais de 100% nas tarifas para o consumidor num período de 10 anos. O resultado foi catastrófico nas contas de luz, como mostra o infográfico abaixo:

A MP 579, basicamente, tentou reduzir artificialmente os preços da energia elétrica. Foi uma decisão determinada diretamente por Dilma Rousseff, na crença de que por decreto seria possível reduzir o valor das contas de luz. No final, isso resultou num rombo de R$ 21,2 bilhões (cifra contabilizada no início de 2022) que ficou para ser paga por todos os consumidores.

A Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base) afirmou em 2019 que a MP 579 de Dilma Rousseff desestruturou o setor elétrico e já havia causado um impacto de “quase R$ 200 bilhões nas tarifas”, citando cálculos da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Créditos: Poder 360.

O post “Grande mídia é contra Brasil ser soberano”, diz Paulo Pimenta apareceu primeiro em Terra Brasil Notícias.



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:“Grande mídia é contra Brasil ser soberano”, diz Paulo Pimenta
FONTE: Terra Brasil

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Campos Neto diz que está disposto a debater PEC com governo Lula

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, demonstrou abertura para negociar com o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *