Web Statistics
Caixa precisa de R$ 6 bilhões para manter solidez | Gazeta de Rondônia

Página Inicial / Brasil / Caixa precisa de R$ 6 bilhões para manter solidez

Caixa precisa de R$ 6 bilhões para manter solidez

Painel Político – A informação chega primeiro aqui

A Caixa precisa de cerca de R$ 6 bilhões neste ano para se enquadrar dentro das regras de instituições financeiras mais sólidas para assumir riscos. Segundo a reportagem apurou, a cúpula do banco, mantendo o plano estabelecido ainda no ano passado, descarta o uso de qualquer ajuda financeira externa, como repasse do Tesouro Nacional ou do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

O plano de contingência, já aprovado, traça como fontes de recursos para atingir os R$ 6 bilhões uma emissão externa de bônus, a venda de carteiras atraentes e a preservação de uma política mais rígida na distribuição de dividendo aos acionistas, no caso, o governo federal.

A Caixa já cortou pela metade a distribuição de dividendos, mas prefere reter os ganhos para promover uma espécie de recapitalização.

Em paralelo, a nova gestão tem o desafio de despolitizar decisões e identificar redutos de corrupção. Uma auditoria interna faz um pente fino na instituição. O banco é alvo de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público. Foi obrigado a destituir parte dos vice-presidentes acusados de pedir propina para liberar financiamentos.

A percepção do comando é que a Caixa tem condição de resolver todas as pendências de gestão e financeiras por seu próprio esforço. No entanto, reconhece que o desafio de 2018 será alinhar a estrutura do banco para cumprir o chamado Basileia 3.

O Índice de Basileia é o indicador que mede a musculatura financeira dos bancos. Foi uma das exigências estabelecidas pelo Acordo de Basileia, assinado em 1988 na cidade suíça homônima e adotado No Brasil em 1994.

Basicamente, o índice é uma conta matemática. Divide-se o patrimônio do banco pelos ativos ponderados pelo risco. Ocorre que o Basileia estabelece parâmetros para se definir o que vale na conta. À medida que o setor financeiro mostra falhas, o índice é aperfeiçoado, com adoção de novos critérios e parâmetros, sempre mais rígidos.

Em 2004, depois da falência de vários bancos, veio o Basileia 2, com princípios para contabilidade e transparência das instituições –passou a valer no Brasil em 2007.

Em 2010, após a crise financeira global, institui-se o Basileia 3, cujas exigências buscam garantir principalmente que os bancos tenham um colchão extra de recursos para suportar possíveis perdas com operações mais arriscadas. Basileia 3 está em fase de implantação.

LIQUIDEZ

Para atender as novas exigências, os bancos são obrigados a garantir um volume maior de ativos próprios e líquidos (que possam ser convertido em dinheiro rapidamente em caso de crise). A Caixa, banco estatal, com uma série de políticas públicas para atender, precisa de um esforço adicional para atingir esse objetivo.

A Caixa atingiu em 2016 índice de basileia de 13,54%. Em relação ao ano passado, vai divulgar que o indicador ficou acima de 17%. Isso quer dizer que a cada R$ 100 emprestados, dispõe de R$ 17.

Seu desafio está em garantir o nível 1 de capital, que entra na conta do índice e indica o volume de dinheiro disponível para que o banco não quebre em caso de grave crise no sistema financeiro.

Dentro das regras anteriores, em 2016, a Caixa alcançou 9,47%. O mínimo à época,de 6,63%, foi elevado para 7,5% em 2017. A Caixa vai divulgar nos próximos dias que atingiu mais 11%.

Neste ano, precisa alcançar 8,37% já atendendo Basileia 3. O indicador é menor, mas a exigência é maior. Parte dos ativos que deram sustentação ao resultado anterior já não podem mais ser usados nesse novo degrau–daí vem a necessidade ter um capital adicional de R$ 6 bilhões até o final do ano.

Desde 2017, o banco implanta um pacote de ajuste que reviu critérios para empréstimos e teve, inclusive, redução de 10%, na liberação de novos financiamentos.

Fez campanhas para recuperar débitos,fechou agências, fez plano de demissão voluntária e reviu o plano de saúde, que exigia provisionamento pesado. Também suspendeu fontes de captação mais onerosas, como CDBs.

 

Com informações da Folhapress.

Caixa precisa de R$ 6 bilhões para manter solidez



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Caixa precisa de R$ 6 bilhões para manter solidez
FONTE: PAINEL POLÍTICO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

SEJA UM REPÓRTER CIDADÃO

Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do GAZETA DE RONDÔNIA.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: contato@gazetaderondonialcom.br ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

Publicado por » Danny Bueno

Especializado em Jornalismo Político e Investigativo. Está radicado nos Estados de Mato Grosso e Rondônia, construiu a carreira trabalhando para sites, jornais e emissoras de TV de Mato Grosso e Rondônia. É assessor de imprensa, é roteirista, produtor de eventos, compositor, editor de conteúdo, relações públicas, analista político e de marketing social. É filiado à ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (http://portaldosjornalistas.com.br/jornalista/danny-bueno)

Que tal ler esta?

Greve de caminhoneiros faz governo estender vacina contra gripe

Sem transporte ou com pouco combustível, muitas pessoas não conseguiram chegar até os postos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *